EUA. Estudantes de Georgetown protestam contra a presença do grupo católico anti-transgênero no campus

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • “Diáconas para uma Igreja sinodal.” Síntese para o Sínodo sobre a Sinodalidade

    LER MAIS
  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Mai 2022

 

Quando um grupo de manifestantes antitransgêneros chegou aos portões da frente da Universidade de Georgetown no semestre passado, os estudantes rapidamente organizaram um contraprotesto improvisado para apoiar os estudantes trans, informou o jornal do campus The Hoya.

 

A reportagem é de Andru Zodrow, publicada por New Ways Ministry, 26-05-2022. 

 

A estudante Siena Hohne foi acompanhada por aproximadamente duas dúzias de seus colegas na escola de Washington, DC. Os estudantes pegaram várias bandeiras do Orgulho LGBT, roupas e um alto-falante para mostrar seu apoio aos estudantes trans. O ex-presidente da associação estudantil LGBTQ da escola, GU Pride, Hohne enfatizou a importância de demonstrações públicas de inclusão:

 

“'O contraprotesto é uma coisa realmente essencial para os aliados fazerem para mostrar que amamos as pessoas trans aqui... que não vamos deixar essas pessoas se safarem espalhando mentiras e ódio, apenas arruinando o dia das pessoas.'

 

Os contra-manifestantes conseguiram se organizar tão rapidamente devido a um bate-papo em grupo para estudantes queer de Georgetown que notificou os membros da comunidade sobre a necessidade de se organizar. Elliott Lloyd, um estudante transgênero, descreveu por que participou da manifestação:

 

“Este incidente foi particularmente perturbador apenas para ver quanto ódio as pessoas realmente têm, e como um estudante trans abertamente no campus, definitivamente não me fez sentir seguro para ir a esse protesto... Georgetown sabe que somos bem-vindos e uma parte importante da comunidade.”

 

A estudante Gracie Coughlin também participou do protesto e articulou a preocupação com a forma como as manifestações antitrans impactam a saúde física, mental e emocional dos alunos:

 

“Pessoas dizendo que sua identidade não é real é realmente doloroso para os alunos. E as pessoas trans têm enfrentado isso o tempo todo.”

 

No dia seguinte ao protesto, o Centro de Recursos LGBTQ de Georgetown emitiu uma resposta oficial à manifestação anti-trans:

 

O que testemunhamos ontem é um exemplo claro do que muitas pessoas Trans vivem diariamente, testemunhamos o ódio e a intolerância que continua presente em nosso país. Queremos lembrar a todos os nossos alunos trans que você pertence aqui, você é bem-vindo e amado.”

 

A mensagem de apoio da universidade reflete não apenas as missões católicas e jesuítas da escola, mas o trabalho árduo dos alunos. O Centro de Recursos foi inaugurado em 2008 após a campanha Out for Change, organizada pela comunidade do campus para pressionar por um maior apoio institucional para estudantes queer.

 

Refletindo sobre o impacto do episódio, Lloyd argumentou que a comunidade universitária deveria estar ciente de como a transfobia ocorre em ambientes acadêmicos:

 

“Estou enfrentando muita transfobia, praticamente toda semana. Já fui chamado de muitos insultos aqui. Sofri muito assédio. E isso me deixou um pouco frustrado ao ver algumas das mesmas pessoas que realmente não fizeram nada nesses casos aparecerem apenas neste caso, quando eram manifestantes de fora de Georgetown... A comunidade do campus tem a responsabilidade de lute contra a transfobia todos os dias... Eu meio que gostaria que as pessoas também se comprometessem todos os dias a ver como elas podem lutar contra a transfobia. E outros momentos em suas vidas, não apenas momentos como esses.”

 

A resposta rápida a um protesto trans-negativo refletiu a maneira como os líderes queer nos campi católicos podem apoiar a inclusão e a solidariedade. Este incidente é um lembrete de que mais trabalho precisa ser feito para garantir que os estudantes trans estejam seguros e apoiados.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA. Estudantes de Georgetown protestam contra a presença do grupo católico anti-transgênero no campus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV