Marco Politi: “O ódio e a agressividade na Igreja são maiores a cada ano que passa”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Evolução do episcopado e mudança do magistério. Artigo de Severino Dianich

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Outubro 2021

 

"As reformas de Francisco são um grande salto em frente se você pensar no passado"

“A maioria dos bispos não apoia as reformas iniciadas pelo Papa Francisco. Uma grande parte deles tem medo ou não quer a reforma da Igreja”, disse o vaticanista em uma entrevista recente.


Apesar da "forte corrente conservadora" que persiste na Igreja, o prestigioso analista acredita que Francisco acabou com a "demonização da homossexualidade" dos pontificados anteriores.


A reportagem é de Jordi Pacheco, publicada por Religión Digital, 01-10-2021.



“A maioria dos bispos não apoia as reformas iniciadas pelo Papa Francisco. Grande parte deles tem medo ou não quer reformar a Igreja”. É o que afirma Marco Politi, um dos mais prestigiosos vaticanistas, em uma recente entrevista publicada no KirchenZeitung, o órgão diocesano de informação e comunicação de Linz, na Áustria.

Por isso, na opinião do escritor e jornalista italiano, o processo de reforma empreendido por Bergoglio vai demorar além do atual pontificado. “Francisco empreendeu mudanças, mas também teve que observar o atual equilíbrio de poder dentro da Igreja”, diz Politi, que explica que “não é verdade que o Papa é um autocrata e pode decidir tudo como quiser".

Apesar da persistência da “forte corrente conservadora”, o autor de obras como Sua Santidade e Joseph Ratzinger: Crise de um Papado acredita que durante seu pontificado, Francisco acabou com a “demonização da homossexualidade” feita por pontificados anteriores. Da mesma forma, ele afirma que o Papa também deu origem a um debate livre entre os bispos sobre os padres casados ​​no Sínodo da Amazônia. “É um grande salto se você pensar no passado”, alerta o analista.


"Guerra Civil" na Igreja


Durante anos, houve uma "guerra civil" na Igreja. Tudo começou na esteira do Sínodo sobre a Família de 2015, que deu origem à Exortação Apostólica  Amoris Laetitia. “A partir daquele momento, as forças tradicionalistas e conservadoras se mobilizaram fortemente contra o Papa. Existe ódio na Igreja. A agressividade piora a cada ano que passa”.

Politi, de 74 anos, vê uma clara melhora tanto na pressão do papa por maior transparência nas finanças do Vaticano quanto na luta contra os abusos na Igreja. “Às vezes tenho a impressão de que as pessoas nos países de língua alemã esquecem o quanto já foi feito nos países de língua alemã”, diz ele.

Do pontificado de Bergoglio, o especialista do Vaticano também valoriza positivamente a estrutura criada no norte da Europa para lidar com casos de abuso. “Digamos que tenha sucesso em 80% dos casos. Mas a estrutura está aí ”. Politi lembrou a demissão de muitos bispos após a crise dos abusos. “Não são palavras, são fatos”, conclui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Marco Politi: “O ódio e a agressividade na Igreja são maiores a cada ano que passa” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV