Na troca de comando do BC, críticas indiretas à redução da desigualdade

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS
  • Frente à carnificina, testemunhar. O quê? Uma resposta do cristianismo de libertação. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Cesar Sanson | 14 Junho 2016

Ex-presidente diz que transformações melhoraram condições sociais, mas pressionaram a inflação. O atual refuta "nova matriz econômica", caracterizada por maior presença do Estado.

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual, 14-06-2016.

Na transmissão de cargo no Banco Central, na tarde de hoje (13), o agora presidente da autoridade monetária, Ilan Goldfajn, refutou a chamada "nova matriz econômica", caracterizada por juros baixos e aumento de gastos públicos, defendendo o "velho e bom tripé econômico": responsabilidade fiscal, controle da inflação e câmbio flutuante. Seu antecessor, Alexandre Tombini, citou "a política de recomposição salarial" e "a redução da desigualdade" como fatores que pressionaram a inflação.

Segundo Goldfajn, que retorna ao BC após 13 anos – foi diretor de Política Econômica de 2000 a 2003 –, esse tripé "permitiu ao Brasil ascender econômica e socialmente em passado não muito distante". Ele afirmou que o controle da inflação vai ajudar na recuperação da confiança e na retomada do crescimento. Quanto ao câmbio flutuante, acrescentou que, sem "ferir" o regime, o BC poderá utilizar "com parcimônia" ferramentas para reduzir sua exposição "em ritmo compatível com o normal funcionamento do mercado, quando e se estiverem presentes as adequadas condições".

"A manutenção de um nível baixo e estável de inflação reduz incertezas, eleva a capacidade de crescimento da economia e torna a sociedade mais justa, por meio de um menor imposto inflacionário, um dos mais regressivos", afirmou em seu discurso. Goldfajn disse que "a literatura econômica já refutou por diversas vezes o falacioso dilema entre a manutenção de inflação baixa e crescimento econômico".

Para cumprir essas e outras missões, ele afirmou ser fundamental "manter e aprimorar" a autonomia do Banco Central. Segundo Goldfajn, será também relevante discutir "com o restante da equipe econômica" a autonomia orçamentária do BC.

Ao entregar formalmente o cargo, Tombini citou um "conjunto de forças majoritariamente inflacionárias", de diversas fontes. A primeira que destacou em seu discurso incluía "a política de recomposição salarial, a redução da desigualdade e a transformação econômico-social vivenciada pela sociedade brasileira". Se por um lado houve "melhorias significativas" para o bem-estar da população, isso também levou a "pressões inflacionárias persistentes e mais acentuadas em um ambiente de pleno emprego, especialmente nos setores de serviços e de alimentos".

Três anos atrás, em artigo, Goldfajn falou sobre a possível conveniência de certo nível de desemprego para combater a inflação. "Não está claro se há consciência na sociedade de que, para manter a inflação sob controle, possa ser necessário temporariamente reduzir o consumo e desaquecer o mercado de trabalho."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Na troca de comando do BC, críticas indiretas à redução da desigualdade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU