"Jogo do Dinheiro" é o melhor de Foster e um dos maiores de 2016

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • A guerra de Putin e Kirill. “O pluralismo religioso nunca foi um problema para a democracia, mas hoje o pluralismo ético moral é para as democracias.” Entrevista com José V. Casanova

    LER MAIS
  • Das cinzas da hiperglobalização pode surgir uma globalização melhor. Artigo de Dani Rodrik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Mai 2016

Imagem: Divulgação

Uma entre tantas qualidades de "Jogo do Dinheiro", quarto e melhor longa dirigido por Jodie Foster, é a capacidade de prender nossa atenção. São 98 minutos em que não desgrudamos os olhos da tela, apesar (ou antes, por causa) dos acontecimentos bizarros que se acumulam durante a projeção.

O comentário é de Sérgio Alpendre, publicado por Folha de S. Paulo, 25-05-2016.

É uma virtude que os filmes de Hollywood apresentavam com certa frequência até meados dos anos 1990, mas que nos últimos anos tem se tornado cada vez mais rara, a ponto de ser necessário destacá-la.

Na trama, George Clooney é Lee Gates, apresentador arrogante e mulherengo de um programa de dicas para investimentos financeiros.

O astro está caricatural no início, mas de certo modo é o que o personagem pede.

Fiel à lei implícita de que quase tudo nos Estados Unidos deve ser tratado como espetáculo, Lee realiza coreografias desengonçadas, ensaia versos de rap e esmurra botões que ativam pequenas piadas visuais.

Então, Kyle Budwell (Jack O'Connell), um entregador, invade o estúdio com um colete cheio de explosivos e obriga o apresentador a colocá-lo. Carrega numa mão um detonador e na outra um revolver, e por isso consegue que façam tudo o que quer. 

Sua motivação é simples: vingança. Ao seguir um dos conselhos de Lee, Kyle perdeu todas as suas economias. Mas ele não quer o dinheiro de volta. Seria pouco. Quer humilhar Lee em rede nacional. Ao menos é o que pensamos inicialmente.

Dentro da cabine dos monitores está a diretora do programa, Patty Fenn (Julia Roberts), também implicada na situação e com quem Lee tem uma relação temperada por uma disfarçada atração, além de certa intolerância mal explicada, que normalmente esconde uma paixão.

A engenhosidade do roteiro de Jamie Linden, Alan DiFiore e Jim Kouf é valorizada pela direção segura de Foster. Os caminhos narrativos são quase sempre muito bem construídos e filmados.

"Jogo do Dinheiro" é surpreendentemente um dos maiores filmes americanos de 2016.

JOGO DO DINHEIRO
(Money Monster)
DIREÇÃO: Jodie Foster
ELENCO: George Clooney, Julia Roberts, Jack O'Connell
PRODUÇÃO: EUA, 2016

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Jogo do Dinheiro" é o melhor de Foster e um dos maiores de 2016 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV