Correa e Francisco zelam aliança para a construção de uma nova América Latina

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Essa ideia do fim da história é uma invenção dos conservadores”. Entrevista com Thomas Piketty

    LER MAIS
  • Leitorado e acolitato para mulheres e leigos. A primeira vez no próximo domingo

    LER MAIS
  • “Estamos em uma crise civilizatória que começou antes da pandemia”. Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 08 Julho 2015

Uma recepção própria de uma estrela do rock. O presidente do Equador, Rafael Correa, recebeu na noite de segunda-feira o Papa Francisco no Palácio Carondelet, sede presidencial de Quito. Flores, guirlandas, uma banda de música (cujo estribilho o presidente cantarolou várias vezes), e uma manifestação multitudinária de carinho popular.

 
Fonte: http://bit.ly/1HM3lcU  

A reportagem é e Jesús Bastante e publicada por Religión Digital, 07-07-2015. A tradução é de André Langer.

Correa comportou-se, assim como na recepção do aeroporto, como um magnífico anfitrião. E Francisco sorriu e aquiesceu. “Bem-vindo, todos somos abençoados, o Equador inteiro te recebe com seu canto de amor”. A Praça Grande, à qual só era permitido ter acesso mediante ingresso, estava lotada. “Francisco, Francisco, abençoa o Equador”, gritava a multidão.

E o palácio presidencial, junto à belíssima catedral, enfeitado como nas melhores ocasiões, com até 120.000 rosas equatorianas formando um impressionante tapete de flores. “Queremos religião, queremos religião”, gritavam os milhares de fiéis presentes, que, minutos antes da chegada de Bergoglio, suportaram um aguaceiro.

“Apareça na sacada, apareça na sacada”, gritou a multidão após meia hora de encontro privado entre Correa e o Papa. Francisco ouviu os apelos, antes de continuar percorrendo junto com o presidente o palácio abraçando-se aos convidados. Políticos, diplomatas, freiras e familiares, todos queriam abraçar, tocar e beijar o Papa. “Pensei que você ia me tirar para dançar”, brincou Bergoglio com a mãe do presidente.

Ao longo de todo o trajeto, Correa e Francisco demonstraram uma sintonia especialmente cordial, fazendo brincadeiras e rindo à vontade. Não há dúvida de que Bergoglio encontrou no presidente do Equador um aliado no complexo marco das relações políticas latino-americanas.

Santo Padre, obrigado por vir, que felicidade”, disse ao Papa um dos músicos da banda, driblando o protocolo e indo abraçar o Pontífice com o tambor na mão, para o maior susto de Doménico Giani e sua equipe de segurança. Antes de dirigir-se à catedral de Quito, o Papa quis saudar novamente a multidão desde a sacada.

O pontífice entregou um presente ao presidente que teve um toque pessoal: uma reprodução de uma imagem de Nossa Senhora e o Menino Jesus.

O mosaico bizantino original data do século XIII e se encontra na basílica romana onde no dia 22 de agosto de 1541, Santo Inácio de Loyola e seus companheiros professaram seus votos religiosos.

Sua ordem religiosa converteu-se na dos jesuítas, à qual pertence Francisco e que teve um papel fundamental na história e no desenvolvimento da América Latina.

Especialistas vaticanos em mosaicos fizeram uma réplica da imagem usando a mesma fórmula da cola utilizada há séculos para fazer os mosaicos no interior da Basílica de São Pedro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Correa e Francisco zelam aliança para a construção de uma nova América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV