O imigrante é invisível nas sociedades que vivem com pressa

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Junho 2015

"Nosso olhar se acostumou com o acampamento a ponto de esquecê-lo rapidamente. Essas fileiras de barracas escondem a miséria (sem mascarar os odores), e parecem compor um mar azul...", escreve Maryline Baumard, em artigo publicado pelo jornal Le Monde, 02-06-2015.

Eis o artigo.

É o paradoxo dos imigrantes. As pessoas só começam a vê-los quando eles desaparecem. Isso vale para os mortos do Mediterrâneo, mas também para o centro de Paris. Os 380 africanos do acampamento da estação de metrô de La Chapelle, no 18º arrondissement, deverão ser evacuados esta semana, depois de ocuparem o local durante oito meses em meio à indiferença geral.

Seus terríveis relatos de uma vida desalojada, essas histórias absurdas que eles estão sempre prontos a contar, as pessoas preferem ouvi-los pela TV a parar para escutá-los. Em nossas sociedades que tanta pressa têm, o imigrante se torna invisível.

Além disso, as autoridades se empenham em tornar cada vez mais invisíveis esses novos párias. Para ter certeza disso basta ler o antropólogo Michel Agier, que por muito tempo teorizou essa maneira de empurrar esses indesejáveis para cada vez mais longe de nossas vistas.

"Under the bridge" ["embaixo da ponte"] era o nome do acampamento de La Chapelle. Esse lugar era o arquétipo do espaço de relegação urbana, um refúgio improvável embaixo do monotrilho e das vias férreas, um local dantesco.

Ali foram se instalando ao longo das semanas as barracas de lona, até que se chegou a esse número de 380 pessoas vivendo no local, em uma precariedade silenciosa, ajudadas por associações de moradores, pela Emmaüs Solidarité e tolerados pela prefeitura de Paris.

Nosso olhar se acostumou com o acampamento a ponto de esquecê-lo rapidamente. Essas fileiras de barracas escondem a miséria (sem mascarar os odores), e parecem compor um mar azul...

Hoje é quase motivo de alegria que os sem-teto tenham suas Quechua [barracas da marca Decathlon]. No entanto, quem se lembra de quando chegaram as primeiras barracas para os sem-teto na capital no ano de 2006, da associação Enfants de Don Quichotte, às margens do canal Saint-Martin?

Foi um escândalo. Nove anos depois, é motivo de alegria que os sem-teto as tenham, uma vez que "isso é melhor que nada" e já que ninguém mais enxerga as barracas mesmo. Foi a retina que se adaptou, ou o egoísmo que se incrustou?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O imigrante é invisível nas sociedades que vivem com pressa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV