Livro com 1404 páginas mergulha na música de Johann Sebastian Bach

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A guerra de Putin e Kirill. “O pluralismo religioso nunca foi um problema para a democracia, mas hoje o pluralismo ético moral é para as democracias.” Entrevista com José V. Casanova

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Das cinzas da hiperglobalização pode surgir uma globalização melhor. Artigo de Dani Rodrik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Fevereiro 2015

Aparentemente não há razão para nos interessarmos hoje em dia pelo monumento das cerca de 200 cantatas de Johann Sebastian Bach, argumenta um dos especialistas mais notórios neste gênero, o regente inglês John Eliot Gardiner, responsável por uma das integrais mais aclamadas do ciclo (os 60 CDs foram gravados em concertos nas próprias igrejas para as quais elas foram compostas no século XVIII). “Elas não se destinavam a ser ouvidas noutro lugar que não as igrejas, integradas ao serviço religioso”, diz Gardiner. Afinal, como escreveu Johann Matheson, contemporâneo exato de Johann Sebastian Bach e historicamente o primeiro crítico musical profissional, elas são uma forma bastarda, já que não passam de colchas de retalhos, ou melhor, de “quatro estilos”: a sucessão de recitativos e árias encaixa-se no estilo do madrigal, ou seja, operístico; os coros e fugas polifônicas ao estilo do motete; os acompanhamentos e interlúdios ao estilo instrumental; e, enfim, os corais ao estilo melismático. Ao contrário do que pensava Matheson, aí está a razão de sua originalidade: cada uma nos oferece música vocal solista, corais e música instrumental de alta qualidade, tudo numa obra só. 

O artigo é de João Marcos Coelho, jornalista e crítico musical, publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, 24-02-2015.

É esta imensa variedade estilística, parecendo abraçar todas as músicas que se produziam na Europa da primeira metade do século XVIII, que faz a genialidade de Bach e o consolidou como pai fundador legitimado por todos os compositores que o sucederam nos últimos três séculos. De Beethoven a Stravinsky, de Mozart a Debussy, e de Brahms a Schoenberg, todos, sem exceção, reverenciaram desse modo o autor do Cravo Bem Temperado, da Paixão Segundo São Mateus, da Missa em Si Menor, dos Concertos de Brandenburgo, das Variações Goldberg e Arte da Fuga, além do majestoso, inigualável monumento formado por cerca de duas centenas de cantatas sacras, cobrindo quatro vezes o ano litúrgico cristão.

Estas rápidas palavras querem apenas dar a exata dimensão da importância do lançamento no Brasil da “bíblia” moderna das cantatas bachianas escrita pelo alemão Alfred Dürr (1918-2011). São 1404 páginas, resultado de uma vida inteira de dedicação a Bach (Dürr trabalhou na moderna edição crítica de suas obras e atuou por 32 anos no Instituto Bach em Göttingen). Todos os textos das cantatas estão traduzidos para o português e as análises são completas, tanto do ponto de vista histórico quanto musical. Pela primeira vez, o leitor de língua portuguesa tem acesso a informações consistentes e fundamentais sobre as cerca de 200 das 300 cantatas de Bach cujos manuscritos foram preservados.

Ficha técnica:

DURR, ALFRED
Tradutor: PASCHOAL, STEFANO
Tradutor: DORNBUSCH, CLAUDIA
Ilustrador: VALDERRAMAS, RENATO
Organizador: VIRMOND, MARCOS DA CUNHA LOPES
Organizador: BIONDO, VALERIA
Organizador: MILANI, ELVIRA
Organizador: BALDUINO, MILENA COSTA
Idioma: PORTUGUÊS
Editora: EDUSC
Edição: 1
Ano: 2014

Outro ponto alto é a tradução, assinada por Claudia Sibylle Dornbusch e Stefano Paschoal, com revisão técnica de Marcos da Cunha Lopes Virmond

Trecho

No século XVII e na primeira metade do século XVIII, a cantata adquire posição de destaque entre os gêneros. Próxima da ópera e do oratório, aparece de início como contraponto lírico a esses gêneros dramáticos e épicos na Itália, mas no decorrer do século XVII também penetra nos países vizinhos, atingindo um ápice único na Alemanha protestante como cantata sacra. No entanto, esse ápice está ligado ao nome de Johann Sebastian Bach”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Livro com 1404 páginas mergulha na música de Johann Sebastian Bach - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV