Para ONGs, Shell "esconde" que nada mudou em área contaminada por petróleo na Nigéria

Mais Lidos

  • De Gaza à terra indígena Yanomami, os genocídios de nosso tempo. Destaques da Semana no IHU Cast

    LER MAIS
  • Boletim especial sobre as mulheres no mercado de trabalho

    LER MAIS
  • IHU Cast – Ya temí xoa. Genocídio e resistência Yanomami

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Agosto 2014

Três anos após um estrondoso relatório da ONU, o governo da Nigéria e a Shell estão sendo acusados por ONGs de não terem feito praticamente nada contra a contaminação por petróleo em Ogoniland, no coração do delta do rio Níger.

A reportagem foi publicada pelo jornal Le Monde e reproduzido pelo portal UOL, 05-08-2014.

Essa investigação científica sem precedentes da ONU havia estabelecido a extensão e o impacto da contaminação por petróleo na região. Ela recomendava que fosse iniciada a mais ampla operação de limpeza já realizada no mundo, com uma duração estimada entre 25 e 30 anos, e que a indústria petrolífera e o governo nigeriano participassem com um montante de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 2,2 bilhões).

Desde então, as poucas medidas tomadas por Abuja e pela Shell "não passam de uma forma de esconder que nada mudou", segundo a associação Amigos da Terra Nigeria. Juntamente com a Anistia Internacional e três outras organizações, elas publicaram, na segunda-feira (4), um relatório intitulado "Shell: nenhum progresso".

Exploração excessiva do subsolo

"A Shell, até o momento, se esquivou diante da necessidade de limpar os danos que ela causou", acredita a Anistia Internacional. Em abril de 2013, a companhia petrolífera Shell enviou uma equipe para Ogoniland pela primeira vez em duas décadas para fazer um inventário de suas instalações. Na época, a companhia afirmou que se tratava de uma "etapa-chave" para se adequar ao relatório da ONU de 2011.

Em 1993, a Shell havia sido forçada a suspender suas atividades na região onde vivem os ogonis, após manifestações e protestos. A minoria ogoni --da qual nove militantes, entre eles o escritor Ken Saro-Wiwa, foram enforcados em 1995-- exige uma distribuição justa das riquezas provenientes do petróleo e indenizações pela exploração excessiva do subsolo de sua região.

A Nigéria produz cerca de 2 milhões de barris por dia, mas grande parte da população vive abaixo do limiar de pobreza, sobretudo por causa da corrupção endêmica no setor petroleiro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para ONGs, Shell "esconde" que nada mudou em área contaminada por petróleo na Nigéria - Instituto Humanitas Unisinos - IHU