A oração improvisada do imã nos jardins do Vaticano suscita reações

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 25 Junho 2014

Um episódio que ocorreu durante a oração pela paz organizada pelo Papa Francisco nos jardins do Vaticano, no dia 08 de junho, com a presença dos presidentes israelense e palestino, respectivamente Simon Peres e Mahmoud Abbas, suscitou reações por parte de alguns cristãos.

 
Fonte: http://bit.ly/1nAGJPw  

A reportagem é de Céline Hoyeau e Samuel Lieven e publicada no sítio do jornal francês La Croix, 23-06-2014. A tradução é de André Langer.

Durante a sequência confiada à delegação muçulmana, que se seguiu à oração das duas outras tradições religiosas, a judaica e a cristã, um imã acrescentou ao texto oficial em árabe os três últimos versículos da segunda surata do Alcorão, conhecida como “A Vaca”, “Perdoa-nos (Allá), perdoa-nos e tem piedade de nós! Você é o nosso mestre e protetor. Ajuda-nos contra o povo dos kafir!”

Um termo que pode ser traduzido como “infiéis” e que é usado pelas correntes radicais do Islã para justificar os ataques contra os não-muçulmanos. Assim, este texto foi percebido por alguns como hostil às outras duas religiões. Eles concluíram que houve "traição" e "abuso de confiança", e um discurso ouvido com frequência, segundo o qual os cristãos são muito ingênuos em relação aos muçulmanos, reapareceu em vários blogs. “O mundo muçulmano regozijou-se por causa da recitação do Alcorão ‘no Vaticano’... O perigo aumenta por causa da ignorância dos cristãos sobre o Islã”, reagiu o padre Peter Madros, do Patriarcado Latino de Jerusalém, em um artigo que circula em alguns fóruns.

"Eu não vejo nenhuma razão para levantar essa polêmica insignificante"

Esta interpretação, no entanto, não é a mais comum. Em uma entrevista concedida à seção alemã da Rádio Vaticano, o padre Felix Körner, jesuíta, professor de Dogmática e Teologia das Religiões na Pontifícia Universidade Gregoriana, especialista em Islã, recorda que “incrédulo designa, neste caso, pessoas que não conhecem o único Deus. Assim, quando este versículo corânico fala dos incrédulos, contra os quais se pede a ajuda divina, não são, pois, os judeus ou os cristãos que são o alvo, uma vez que esses reconhecem a unidade de Deus!”

O jesuíta alemão também observa que o rabino, por sua vez, tinha recitado o Salmo 25, bem conhecido dos cristãos, que pede a Deus para não deixar que “seus inimigos não triunfem sobre ele”, e que poderia muito bem ter sido percebido como “um discurso ambíguo”, “caso fosse escutado com um ouvido tendencioso.”

Perguntado pelo La Croix, o antropólogo das religiões e filósofo argelino Malek Chebel confirma: “Pessoalmente, traduzo kafir por ‘incrédulo’. É totalmente compatível com o Alcorão e não visa a ninguém em particular. A rigor, se você quiser fazer uma interpretação contextualizada, visa os pagãos da Arábia antiga; portanto, nem os judeus nem os cristãos. Não vejo nenhuma razão para levantar essa polêmica insignificante. De acordo com o Alcorão, o muçulmano faz um convite à paz, muito geral e aberto.”

Quanto a saber se o imã saiu ou não do seu texto, o padre Rafiq Khoury, da equipe animadora do seminário patriarcal de Beit Jala, na Cisjordânia, disse que "os muçulmanos têm o costume de recitar esta oração em todas as circunstâncias, desde a infância, da mesma forma que nós recitamos o Pai Nosso... Isso não tem nada de hostil para com os cristãos. É doloroso e penoso que sempre se olhe com propósitos negativos para os muçulmanos.”

“Aqueles que param por aí, simplesmente não compreenderam a mensagem do Papa Francisco, ou não querem entendê-la”, diz, por sua vez, uma observadora do caso. “Em vez de tentar ver se o outro saiu da linha ou não, estamos dispostos a ver nele um irmão? Levamos realmente a sério o Cristo que nos disse para nos amarmos uns aos outros, e até mesmo para amar os nossos inimigos?”

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A oração improvisada do imã nos jardins do Vaticano suscita reações - Instituto Humanitas Unisinos - IHU