Ernesto Laclau. Populismo e hegemonia

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Diante do nacionalismo da Grande Rússia, vamos reinventar o internacionalismo. Artigo de Pierre Dardot e Christian Laval

    LER MAIS
  • “Receber dinheiro para evangelizar de quem gera morte é contraditório”. Entrevista com Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira

    LER MAIS
  • “Fratelli Tutti” coisa nenhuma. “Memorando” exorta que antes do conclave os cardeais releiam “Dominus Iesus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 15 Abril 2014

Na opinião de Eduardo Rinesi, reitor da Universidade Nacional de General Sarmiento (Argentina), Ernesto Laclau, nos anos finais de sua vida, acompanhou “os fenômenos mais interessantes e potentes que vem marcando este singular momento latino-americano”. Seu artigo é publicado por Página/12, 14-04-2014. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Surgido das entranhas mais sutis do vasto corpo de ideias que abrigou em seu momento (nos anos de sua precoce militância nas filas lideradas por seu sempre reivindicado Jorge Abelardo Ramos) a chamada “esquerda nacional”, o pensamento de Ernesto Laclau, que ao longo das décadas foi conquistando, em seu diálogo com algumas das mais sutis correntes da filosofia social e política contemporânea, uma consistência formal e terminológica fora do comum, nunca abandonou, no entanto, seus motivos fundamentais e primeiros: a pergunta pela natureza dos fenômenos populistas e a discussão em torno da ideia gramsciana de hegemonia.

É certo que em seus escritos dos últimos dez anos a palavra “populismo” designa menos um tipo de organização política do que certa “lógica” que, em sua própria indeterminação, pode nos ensinar algo sobre a natureza do político como tal, e que a noção de hegemonia se vê complexa em razão das diversas contribuições que Laclau reuniu dos campos da psicanálise, da lingüística e da retórica. Contudo, graças a todos estes instrumentos diversos e díspares, que ele sabia articular com um rigor teórico não isento de graça e de vocação provocadora, quase briguenta, foi que Laclau pôde encarar, nos anos finais de sua vida, com interesse e originalidade, a tarefa de acompanhar os fenômenos mais interessantes e potentes que vem marcando este singular momento latino-americano. Não parece que seja possível continuar procurando entender as peculiaridades e os desafios deste momento sem voltar uma vez e outra sobre seus textos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ernesto Laclau. Populismo e hegemonia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV