A estrela-cometa de Natal? Uma invenção de Giotto

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Os povos e a guerra entre potências. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • Francisco aceita convite da Universidade Loyola de Chicago e da CAL para ouvir jovens migrantes

    LER MAIS
  • Igreja no Peru pede a Repsol que repare “completamente” o vazamento de petróleo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Novembro 2013

A história dos magos que veem a estrela surgir (tòn astéra en têi anatolêi), e que os guia depois do nascimento do Salvador, é lida em algumas passagens do segundo capítulo do Evangelho de Mateus. O termo astér não indica propriamente um cometa. Na realidade, a "coisa" celeste assumiu cada vez mais tais semelhanças depois que Giotto, impressionado com a passagem do cometa Halley (1301), representou a estrela da Natividade com uma longa cauda na Capela dos Scrovegni, em Pádua.

A nota é de Armando Torno, publicada no jornal Corriere della Sera, 25-11-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Pode-se dizer que desde o século XV esse detalhe viu um notável destino, principalmente quando seria retomado nas representações do presépio. Também é preciso dizer que o mundo antigo registra um longo debate sobre a natureza das estrelas. Fílon de Alexandria, filósofo judeu que vive nos anos em que inicia a era cristã, no De Opificio Mundi, além de em outras obras, fala das estrelas como de seres vivos, de gênero inteiramente espiritual.

Analogamente os platônicos e os estoicos já haviam se expressado sobre a questão. Até mesmo Aristóteles não escolheu uma tese definitiva sobre o assunto. Orígenes Adamâncio, de Alexandria, um dos maiores filósofos e teólogos do cristianismo primitivo, que viveu entre os séculos II e III, interpretou o fato astral descrito por Mateus como um evento natural e não milagroso.

E entre as milhares hipóteses que se debruçaram sobre esses versículos, lembramos a de São Jerônimo, ativo entre os séculos IV e V, que rejeitou a ideia que circulava em alguns textos cristãos, ou seja, de que as estrelas podiam ser consideradas anjos.

No entanto, foi preciso chegar ao Concílio de Constantinopla II, convocado por Justiniano em 553, para poder afirmar que planetas e estrelas não são dotados de uma alma.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A estrela-cometa de Natal? Uma invenção de Giotto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV