Novo secretário de Estado vaticano considera que celibato ''pode ser discutido''

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Estamos em guerra: nacionalismo, imperialismo, cosmopolítica. Artigo de Étienne Balibar

    LER MAIS
  • Em vitória histórica, STF reconhece proteção do clima como dever constitucional

    LER MAIS
  • Bioeconomia, a ‘evolução do agro’ que mira na sociobiodiversidade brasileira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Setembro 2013

Lembrando a um jornal venezuelano que o celibato dos padres "não é um dogma da Igreja", Dom Pietro Parolin, que se tornará no dia 15 de outubro o primeiro colaborador do Papa Francisco, enquadra o celibato presbiteral na "tradição eclesiástica".

A reportagem é de Sébastien Maillard, publicada no jornal La Croix, 12-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O que Dom Parolin quis dizer exatamente? Nomeado no dia 31 de agosto passado secretário de Estado da Santa Sé pelo Papa Francisco, Dom Pietro Parolin, atualmente núncio apostólico na Venezuela, concedeu uma entrevista ao jornal venezuelano El Universal.

Nessa entrevista em espanhol, publicada on-line no último domingo, ele responde à pergunta se o celibato é um dogma intocável.

"Não, não é um dogma da Igreja e pode ser discutido, porque é uma tradição da Igreja".

"O esforço que a Igreja fez para instituir o celibato eclesiástico deve ser considerado", lembra ele. "Pode-se falar, refletir e aprofundar sobre esses temas que não são de fé definida e pensar em algumas modificações, mas sempre a serviço da unidade e tudo segundo a vontade de Deus", acrescenta.

Citando o exemplo da "escassez do clero", Dom Parolin enumera os critérios a serem levados em consideração para uma decisão a respeito: "A vontade de Deus, a história da Igreja, assim como a abertura aos sinais dos tempos".

O que disseram os papas anteriores? Retomando uma tradição da Igreja do Ocidente que remonta ao século IV, o Concílio de Trento (século XVI) estabeleceu solenemente a obrigação do celibato para os padres, inscrito na direito canônico. Essa obrigação, que não se aplica às Igrejas do Oriente, foi reafirmada pelo Papa Paulo VI na sua encíclica Sacerdotalis caelibatus, de 1967.

De uma coisa oportuna, a Igreja fez uma necessidade, argumentada teologicamente, particularmente sob João Paulo II, em vários textos. Bento XVI também confirmou o seu apego ao celibato, particularmente em um discurso aos cardeais no fim de 2006: "A fé em Deus se torna concreta nessa forma de vida que tem sentido unicamente a partir de Deus".

O que o Papa Francisco pensa a respeito? Desde a sua eleição, há cerca de seis meses, o papa não se pronunciou sobre esse assunto. Em um livro-entrevista publicado em 2010, quando ele era arcebispo de Buenos Aires (Sobre o céu e a terra), o ainda cardeal Bergoglio lembrava que era, "por enquanto (...) sou a favor de que se mantenha o celibato, com os prós e os contras que tem, porque são dez séculos de boas experiências mais do que falhas" . "É uma questão de disciplina, não de fé. Pode mudar", concluiu, condenando qualquer "vida dupla".

Alguns cardeais convidaram, às vezes em voz alta, a uma evolução dessa disciplina .

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo secretário de Estado vaticano considera que celibato ''pode ser discutido'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV