A Igreja de Sucumbíos, no Equador, completa 100 dias de vigília

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento dos Focolares à prova

    LER MAIS
  • “Sendo 1% da população, os indígenas são a ponta de lança na resistência a Bolsonaro.” Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • O desafio do pós-teísmo. Artigo de Paolo Gamberini

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 22 Janeiro 2013

“Até quando vai a Vigília? Serão outros 100 dias ou mais? Logo se verá, pois vamos discernindo os acontecimentos à luz da Palavra. Disse-nos Jesus: ‘... estejam atentos, estejam vigilantes, porque não sabemos nem o dia nem a hora’. Por esta razão, por toda a vida é preciso manter a lâmpada acesa da nossa fé no Deus de Jesus de Nazaré, o Filho do Deus Vivo”, advertem as lideranças da Igreja de Sucumbíos, no Equador, em carta aberta no dia em que celebram o 100º dia de vigília.

A carta está publicada no sítio da ISAMIS, 10-01-2013. A tradução é do Cepat.

Eis a carta.

“Esta é a luz de Cristo, eu a farei brilhar”

10 de janeiro de 2013

100 dias de vigília permanente em Sucumbíos, Equador.

Em 10 de janeiro, completaram-se os 100 dias da Vigília Permanente de oração e reflexão em nossa Igreja de Sucumbíos, Equador, e o celebramos com muita simplicidade e significado.

A vigília é a atitude cristã e evangélica tomada pela ISAMIS diante da situação de intervenção a que foi submetida a nossa Igreja, desde o dia 10 de outubro de 2010. Até agora ninguém se responsabilizou por esta intervenção feita em escritórios longínquos das cúrias correspondentes, mas a cegueira e a surdez intencional impedem que consigamos o proclamado sonho de que voltemos a ser a “Casa e Escola de Comunhão” que se vivia até esse momento em Sucumbíos.

Quisemos fortalecer o nosso encontro com Jesus de Nazaré, o Cristo Senhor da Vida, na oração pessoal e comunitária, para encontrar a paz e a não violência que se requerem para enfrentar a agressão. Continuamos aprofundando a nossa espiritualidade do seguimento de Jesus e seu Evangelho, bebendo do próprio poço da experiência de oração que deita raízes na vida, aprendida na caminhada da nossa Igreja, na Eucaristia com Jesus presente feito Sacramento, na Koinonia da vida de comunidade no compartilhar, na convivência, nos ensinamentos da Palavra de Deus, nos ensinamentos do Concílio Vaticano II, nos documentos do Magistério Latino-americano.

É a segunda vez que ativamos comunitariamente a Vigília, porque permanecemos constantemente vigilantes e, a primeira experiência de 139 dias, vivida de 07 de janeiro a 25 de maio de 2011, nos deu luzes para entrar de novo nesta atitude comunitária de oração.

Contudo, nesta segunda vez, a Vigília Permanente está marcada por algumas situações muito especiais e diferentes da primeira. Assim, a Vigília começou como início da Novena de preparação para o Ano da Fé, convidados/as pelo Santo Padre Bento XVI, para comemorar os 50 anos da abertura do Concílio Vaticano II. Dada a experiência de fé vivida em nossa Igreja de San Miguel de Sucumbíos - ISAMIS, guiados/as por nosso Bispo Emérito Dom Gonzalo López Marañón, nestas quatro décadas pós-conciliares, em fidelidade ao espírito de abrir as portas da Igreja e, movidos pelas oposições ao espírito conciliar, que se querem implementar em nossa Igreja, assumimos responsavelmente este convite. A Eucaristia de início foi também em ação de graças pela vida de Dom Gonzalo, recordando, embora com atraso, o dia 3 de outubro, seu célebre aniversário.

As condições eclesiais pelas últimas medidas implementadas, não eram coerentes com as decisões tomadas nas Assembleias Diocesana Ordinária e Extraordinária, segundo a Carta Aberta de 29 de setembro de 2012, Dia da Igreja Local pela Festa do corajoso Arcanjo São Miguel. Por estas e outras situações muito delicadas, tomou-se a firme decisão de buscar recuperar, atualizar, recriar e viver o espírito do Concílio Vaticano II para celebrar seu Jubileu e não querendo enterrá-lo no esquecimento. O lugar da Vigília é a Paróquia do Divino Menino, na cidade de Nueva Loja, Cantão Lago Agrio, para onde acorrem devotamente, todas as noites, os e as fiéis vigilantes de diversas comunidades, bairros, paróquias e setores da cidade. Com frequência, unem-se à celebração litúrgica irmãos e irmãs de comunidades da pastoral camponesa de outros cantões, da pastoral negra e visitantes solidários/as de outras províncias e de outros países.

As celebrações litúrgicas são ricas em seu simbolismo. A Luz e a Cruz sempre estão no centro significando a presença de Jesus que está no meio da comunidade. Todas as noites os e as participantes acendem o círio pascal e depois cada um/a toma a luz em uma vela que mantém em suas mãos até que se lê a Palavra de Deus. A oração é compartilhada e animada por diferentes equipes a cada dia. A reflexão da Palavra de Deus é meditada, refletida e compartilhada amplamente pelos e pelas participantes. A riqueza das reflexões brota da experiência da vida do caminhar na Igreja Comunidade ministerial a serviço do Reino. É a alegria da Palavra que ilumina a nossa vida, é a alegria pelo fato de que o Vaticano II devolveu a Palavra de Deus às mãos do Povo de Deus para ler e interpretar o que Deus quer de nós. A partilha também não pode faltar. Quando chegam pela primeira vez representantes de novas comunidades ou irmãos e irmãs à Vigília, faz-se a entrega da luz com muita alegria ao som do canto “Esta é a Luz de Cristo, eu a farei brilhar”, e assim a Luz continua aumentando e propagando-se diariamente.

Durante estes 100 dias ocorreram importantes eventos, como a celebração do Dia da Igreja Comunidade Ministerial a serviço do Reino, no dia 30 de outubro passado, a visita de um grupo de católicos/as alemães da KLB, a visita de Dom Paolo, no dia 14 de dezembro passado, entre outros irmãos e irmãs.

Os tempos litúrgicos do Advento e do Natal nos prepararam para receber Jesus – o material da Novena teve como tema “Jesus vem como Luz”. No dia 05 de janeiro passado, na Epifania, celebramos alegremente a manifestação de Deus na festa da Infância Missionária. E agora celebramos o Batismo de Jesus, que ilumina o nosso batismo, quando assumimos a opção de seguir Jesus e se deu a luz aos nossos pais e mães, para fazê-la crescer. Agora nós a estamos fazendo crescer porque somos filhos e filhas da Luz, e conscientes da dignidade de nosso batismo.

Logo nos espera a Mãe de todas as vigílias, a Vigília Pascal, quando a Luz vence as trevas, com a vitória de Jesus ressuscitado sobre a morte e o pecado. Preparamo-nos desde já, neste Ano da Fé, na força de nossa fé viva no Ressuscitado que foi crucificado.

Até quando vai a Vigília? Serão outros 100 dias ou mais? Logo se verá, pois vamos discernindo os acontecimentos à luz da Palavra. Disse-nos Jesus: “... estejam atentos, estejam vigilantes, porque não sabemos nem o dia nem a hora”. Por esta razão, por toda a vida é preciso manter a lâmpada acesa da nossa fé no Deus de Jesus de Nazaré, o Filho do Deus Vivo.

“Não se pode sepultar a luz
Não se pode sepultar a vida
Não se pode sepultar um povo
Que busca a liberdade”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Igreja de Sucumbíos, no Equador, completa 100 dias de vigília - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV