Tragédia na petroleira mexicana

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • 50 anos de teologias da libertação memória, revisão, perspectivas e desafios

    LER MAIS
  • Guerra Civil Psicótica Global (GCPG). Artigo de Franco ‘Bifo’ Berardi

    LER MAIS
  • Algoritmo sensível, elites insensíveis: o problema de base do capitalismo 4.0

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 20 Setembro 2012

Ao menos 26 trabalhadores morreram numa explosão, acompanhada de incêndio, registrada nas instalações de Petróleos Mexicanos (Pemex), próximo de Reynosa, no Estado nordestino de Tamaulipas. Num comunicado, a petroleira mexicana confirmou que o acidente foi registrado próximo das 10h45min (horário local), na unidade de gás da Pemex Exploração e Produção (PEP).

A reportagem é publicada no jornal Página/12, 19-09-2012. A tradução é do Cepat.

O incêndio foi extinto às 12h40min (horário local) e “a situação controlada na Central de Medição da PEP”, apontou a Pemex. Quatro dos mortos eram trabalhadores da Pemex e 22 de companhias contratadas, segundo informou a empresa através do Twitter.

“Técnicos especializados da Pemex Exploração e Produção farão a análise causa-efeito do acidente, assim como a avaliação dos danos ocorridos à instalação”, acrescentou a empresa pública, que de início não confirmou no boletim o número de feridos, embora à noite tenha situado um número de 27. Fontes da empresa confirmaram que o diretor geral da Companhia, Juan José Suárez Coppel, chegou ao local do acidente às 16h00s (horário local).

O acidente fez com que a Defesa Civil de Tamaulipas retirasse a população que vive num raio de uns cinco quilômetros do local, onde estão os bairros de San Valentín e Rancherías.

Um trabalhador, que foi atendido por paramédicos, disse que na unidade da PEP, onde aconteceu o acidente, trabalhavam ao menos 700 pessoas.

No local, os serviços médicos atenderam a uma dezena de pessoas com ferimentos graves, ao mesmo tempo em que mais 39 trabalhadores saíram com lesões e queimaduras leves.

Fontes da Defesa Civil detalharam que no exterior não havia nenhum “relato, até agora, de infortúnios a pessoas fora da empresa”. Após a situação ficar controlada, as pessoas que vivem próximo da unidade começaram a voltar para seus lugares, apontou o funcionário.

Inicialmente, a petroleira relatou a morte de dez trabalhadores. Contudo, à noite emitiu um comunicado na rede social: “Lamentavelmente foi para 26 o número de trabalhadores mortos pelo acidente desta manhã, em Tamaulipas”. Por meio do sítio web, a Pemex também enviou seu “mais sentido e sincero pêsame aos familiares das vítimas do lamentável acidente”.

As instalações da Pemex, de gás e condensado, que foram atingidas, ficam a 19 quilômetros de Reynosa, fronteira com McAllen (Texas, Estados Unidos). Durante todo o dia, nela estiveram trabalhando, para controlar a situação, o pessoal da Pemex, do exército, dos bombeiros e os membros da Defesa Civil do Estado de Tamaulipas.

A estrada que liga Reynosa com Monterrey foi interrompida para o trânsito e várias ambulâncias se mobilizaram na área, constataram os meios de comunicação.

Após o registro do fato, “imediatamente entrou em operação o plano de resposta a emergências e houve o fechamento de válvulas que transportam gás, como também subiram ao local unidades de anti-incêndio da Pemex e bombeiros estatais e municipais. Às 12h40min (horário local), o fogo foi extinto”, manifestou o comunicado. O acidente também causou danos ao patim de medição, assim como para um duto e algumas válvulas de controle do centro.

A área do acidente é uma região em que se extrai e processa, fundamentalmente, gás natural obtido na Bacia de Burgos.

Este é o pior acidente ocorrido na Pemex, desde o registrado no dia 23 de outubro de 2007, na plataforma Usumacinta, a 75 quilômetros de Ciudad del Carmen, em águas ao largo do Estado de Campeche, no golfo do México, que deixou 22 trabalhadores mortos. Segundo dados corporativos, na Pemex, entre 2005 e 2009, foram registrados 33 acidentes, com o saldo de 116 mortos e 294 feridos, além de perdas materiais na ordem de quase 87 milhões de dólares, em instalações e plataformas petroleiras.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tragédia na petroleira mexicana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV