Americanos reduzem consumo de carne, de olho na saúde e no bolso

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • “A reação de pastores é uma rebelião política em nome da fé”. Entrevista especial com José de Souza Martins

    LER MAIS
  • O que precisamos aprender com André Janones

    LER MAIS
  • “A saúde do solo, das plantas e a nossa estão interligadas”. Entrevista com Vandana Shiva

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Janeiro 2012

A inflação e a mudança de hábitos alimentares da população americana provocaram uma queda no consumo de carne e aves no país, segundo relatório do Departamento de Agricultura.

A reportagem é de Verena Fornetti e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 18-01-2012.

O documento mostra que neste ano o americano deve diminuir o consumo de carne e aves em 12,2% na comparação com 2007, quando a recessão nos EUA começou.

A projeção é que, em média, cada cidadão coma 36 kg de frango, 25 kg de carne bovina e 21 kg de carne de porco em 2012. Em relação ao ano passado, as quedas são de cerca de 4%, 6% e 1%, respectivamente.

No Brasil, de acordo com o IBGE, o consumo médio anual de carne bovina foi de 17 kg por pessoa em 2008 (último dado disponível). A média do consumo de carnes suínas foi de 6 kg, e o de aves, de 13 kg.

Segundo o Departamento de Agricultura americano, uma das explicações para a queda no consumo de carne e aves é a inflação registrada para esses produtos.

Carnes, aves e peixes subiram 6,7% em novembro de 2011 ante igual mês do ano anterior.

EMERGENTES

O relatório indica que, conforme a população de países emergentes tem mais dinheiro para comprar alimentos, as exportações americanas de carne crescem, o que diminui a disponibilidade interna do produto.

Como a produção não aumenta no mesmo ritmo, o preço sobe.

O Departamento de Agricultura culpa também o uso do milho como combustível - para fabricação de etanol- pela diminuição da oferta do grão usado na alimentação.

"Não é por acaso que o rápido crescimento da produção de etanol de milho coincide com a tendência de baixa nos Estados Unidos no consumo de carne de aves", diz o documento.

Outro fator que contribui para a queda no consumo é a mudança nos hábitos alimentares da população.

Para o Departamento de Agricultura, a propaganda feita por agências governamentais contribui para uma imagem negativa do consumo de carne, assim como a defesa que órgãos não governamentais fazem dos direitos dos animais.

TENDÊNCIA


Entretanto, artigo recente das especialistas Carrie Daniel e Amanda Cross, do Instituto Nacional do Câncer, e de Corinna Koebnicka e Rashmi Sinhaa, do consórcio de saúde Kaiser Permanente, argumenta que a diminuição no consumo de carne é uma tendência em países desenvolvidos.

Os autores citam a crescente preocupação dos consumidores desde o final dos anos 80 com consumo de gordura e controle do colesterol como fator de mudanças na alimentação tanto dentro quanto fora de casa, mas destacam que o consumo de carne nos EUA ainda equivale a três vezes a média global.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Americanos reduzem consumo de carne, de olho na saúde e no bolso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV