Greve geral no Chile tem saques e série de detenções

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Sturm und drang: quando um vigário geral abandona a Igreja

    LER MAIS
  • O trigo bloqueado ameaça o mundo

    LER MAIS
  • Novo livro alerta sobre a implosão da Igreja na França

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Agosto 2011

O segundo dia de greve geral no Chile foi marcado, ontem, por saques e enfrentamentos com a polícia. O governo diz que 456 foram presos e 78 ficaram feridos desde anteontem. A organização das manifestações estima que 600 mil foram às ruas em todo o país, ontem.

A notícia é do jornal Folha de S. Paulo, 26-08-2011.

Sebastián Piñera tem a menor popularidade de um presidente chileno desde a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) -26%. Jovens bloquearam estradas, atiraram pedras e puseram fogo em ônibus e pilhas de lixo em cruzamentos de Santiago e de outras cidades. A polícia, por sua vez, usou água e gás lacrimogêneo para dispersar as multidões.

A reivindicação original dos manifestantes é a reforma do sistema de educação.

O governo afirma que apenas 10% dos funcionários públicos se uniram à greve convocada pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), maior união sindical do país. A organização fala em 80%.

O transporte público funcionava ontem, ainda que com restrições de horários, e a mineração de cobre não foi interrompida pela greve -a distribuição do lucro do setor é outra demanda no país.

Apesar de o Chile ter expectativa de crescer mais de 6% neste ano, o país tem tido seguidos protestos.

CUSTO

Segundo o governo, a greve custa US$ 200 milhões (R$ 320 milhões) por dia.

A artista plástica brasileira Carolina Dalgalarrondo, 31, diz que não participou das manifestações - mas deixou de trabalhar ontem, para evitar o centro de Santiago.

"Eu apoio a mobilização dos estudantes", diz. "Mas esta greve pode tirar a força do movimento, por misturar muitas reivindicações."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Greve geral no Chile tem saques e série de detenções - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV