"A indústria brasileira está numa encruzilhada"

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • O Papa Francisco precisa operar a perna direita, mas responde: não quero. Ele teme os efeitos da anestesia, que no caso da colectomia foi uma experiência ruim

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Julho 2011

A indústria brasileira está numa encruzilhada, pois o crescimento econômico dos últimos anos possibilitou que ela crescesse em termos de produção, mas não o suficiente para acompanhar a expansão da economia como um todo. O comentário é de Eduardo Costa Pinto, pesquisador do Ipea, em artigo no jornal Folha de S.Paulo, 25-07-2011.

Eis o artigo.

Recentemente, pós-crise internacional, a industria brasileira tem perdido posições na corrida devido ao aumento das importações, sobretudo as do dragão chinês, que se tornou a "fábrica do mundo". Economistas têm usado várias designações para o processo (desindustrialização, doença holandesa); outros defendem que isso não seria problema, pois a substituição da indústria por serviços seria uma tendência vista em países desenvolvidos.

Independentemente de tomar uma ou outra posição, faz-se necessário apresentar a indústria de transformação como ela é hoje. Houve perda de participação desse setor no PIB (soma de bens e riquezas produzidas do país), de 17,1% no 3º trimestre de 2008, para 15,6% no 1º trimestre de 2011; a indústria importou mais do que exportou, o que fez seu deficit comercial pular de US$ 4 bilhões em 2009 para US$ 30,4 bilhões em 2010; e, de forma geral, importados ganharam mais participação no consumo interno.

Em suma, o crescimento do consumo no país não veio acompanhado do aumento da produção nacional, o que faz com que boa parte da renda brasileira se destine aos produtos importados.

Esse "vazamento" é compensado em parte pela forte entrada de dólares, causada principalmente pela busca de investidores estrangeiros por rentabilidade maior para seu dinheiro, já que as taxas de juros no Brasil estão entre as mais altas do mundo.

Além disso, há muito dinheiro chinês entrando no país, seja por meio de investimentos diretos ou por importação das commodities produzidas no Brasil. Essa dinâmica da indústria é fruto da própria expansão da economia e, sobretudo, de sua perda de competitividade que pode ser explicada por questões tributárias, de infraestrutura, taxa de juros e câmbio.

Tudo isso é importante, mas o binômio juro-câmbio urge. Se já era muito difícil concorrer com as manufaturas chinesas, com o atual nível dos juros e do câmbio é praticamente impossível.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A indústria brasileira está numa encruzilhada" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV