Ondas de calor aceleram o degelo do permafrost do Ártico

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Agosto 2022

 

"Na região mais setentrional da Terra, o permafrost ártico está derretendo em ritmo acelerado", escreve Marianne Lucien, em artigo publicado por ETH Zurich e reproduzido por EcoDebate, 28-07-2022. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

 

Eis o artigo.

 

Por mais de uma década, uma equipe internacional de pesquisadores da ETH Zurich, da Universidade do Alasca Fairbanks e do Centro Aeroespacial Alemão observaram marcas topográficas – grandes depressões conhecidas como “quedas de degelo retrogressivas”.

 

As quedas ocorrem quando camadas de solo permanentemente congeladas (permafrost rico em gelo) derretem, deixando as encostas árticas vulneráveis a deslizamentos de terra. Os deslizamentos de terra sinalizam um risco de liberação potencial de carbono que foi armazenado no permafrost por dezenas de milhares de anos.

 

Risco de liberação de carbono orgânico

 

Suas descobertas, publicadas recentemente na revista da União Europeia de Geociências, The Cryosphere, revelam mudanças substanciais na topografia da península de Taymyr, na Sibéria, no norte da Rússia. Os resultados do estudo revelam um forte aumento de 43 vezes na atividade retrogressiva do degelo e um aumento de 28 vezes na mobilização de carbono. O aumento também coincide com uma onda de calor extrema que ocorreu no norte da Sibéria em 2020, na qual as temperaturas atingiram 38 graus Celsius (mais de 100 graus Fahrenheit) – temperaturas recordes para a região do Ártico.

 

“O forte aumento na atividade do degelo devido à onda de calor da Sibéria mostra que a mobilização de carbono dos solos do permafrost pode responder de forma acentuada e não linear ao aumento das temperaturas”, afirma o principal autor do artigo, Philipp Bernhard, Instituto de Engenharia Ambiental, ETH Zurique.

 

Medindo as mudanças no permafrost do Ártico

 

Usando dados de satélite, a equipe de pesquisa conseguiu desenvolver um novo método para quantificar a mobilização de carbono no solo do permafrost. Atualmente não existe outro método em larga escala que meça, com um nível tão alto de resolução espacial e vertical, as mudanças nas regiões do permafrost. Esse método permite que os pesquisadores forneçam uma estimativa mais precisa do estado do ciclo do carbono para o orçamento global de carbono.

 

Com base em um estudo anterior de campo e voo realizado no Delta do Rio Mackenzie, no Canadá, os pesquisadores coletaram dados de pré-estudo que mais tarde usaram para comparar e analisar com dados adquiridos por satélite na mesma região. Desde 2010, o Centro Aeroespacial Alemão opera uma missão de satélite inovadora usando radar de abertura sintética de passagem única, a missão TanDEM-X, para coletar dados de elevação tridimensionais sobre a superfície terrestre. Além dos dados de radar, de 2015, os pesquisadores analisaram dados obtidos dos satélites ópticos Sentinel-2 implantados como parte da missão de Observação da Terra da Agência Espacial Europeia, Programa Copernicus, com foco na paisagem ártica.

 

Parte negligenciada do ciclo de carbono do Ártico

 

A península de Taymyr, na Sibéria, como muitas áreas do Ártico, é uma região remota e quase inacessível, tornando os estudos científicos de campo uma operação desafiadora, se não impossível. Os achados deste estudo indicam; no entanto, as ondas de calor do verão e o aquecimento das regiões árticas representam um risco ambiental significativo que vale a pena monitorar.

 

O permafrost do Ártico supostamente contém aproximadamente 1,5 trilhão de toneladas métricas de carbono orgânico, cerca de duas vezes mais do que atualmente contido na atmosfera. Bernhard concorda que os riscos potenciais associados a esse tipo de mobilização de carbono são “um componente importante, mas amplamente negligenciado, do ciclo de carbono do Ártico”.

 

A equipe de pesquisa antecipa que o sensoriamento remoto por satélite será uma ferramenta indispensável para o monitoramento contínuo da mobilização de carbono resultante do derretimento do permafrost no Ártico.

 

Comparação da elevação do satélite Sentinel-2 da Península de Taymyr na Sibéria no verão de 2019 e 2021. A mudança de vegetação (vermelho) devido à atividade do degelo é claramente visível. (Imagem: Agência Espacial Europeia (ESA) / ETH Zurique) | EcoDebate

 

Referências:

 

Philipp Bernhard et al, Accelerated mobilization of organic carbon from retrogressive thaw slumps on the northern Taymyr Peninsula, The Cryosphere (2022). DOI: 10.5194/tc-16-2819-2022. Disponível aqui.

Philipp Bernhard et al, Mapping Retrogressive Thaw Slumps Using Single-Pass TanDEM-X Observations, IEEE Journal of Selected Topics in Applied Earth Observations and Remote Sensing (2020). DOI: 10.1109/JSTARS.2020.3000648. Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ondas de calor aceleram o degelo do permafrost do Ártico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU