Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “O virtual não pode ser tudo, porque se for tudo, a vida não faz sentido”. Entrevista com Cédric Durand

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Dezembro 2021

 

O Arcebispo Aupetit deixa a direção da Igreja de Paris. O Papa aceitou sua renúncia nomeando como administrador apostólico "Sede vacante et ad nutum Sanctæ Sedis" monsenhor Pontier.

 

A reportagem é de Riccardo Maccioni, publicada por Avvenire, 02-12-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

O Arcebispo Michel Aupetit deixa a direção da Igreja de Paris. O Papa aceitou sua renúncia nomeando como administrador apostólico "Sede vacante et ad nutum Sanctæ Sedis", isto é, enquanto se aguarda a escolha de um sucessor. Monsenhor Georges Pontier. Como se sabe, a renúncia segue-se a uma investigação jornalística realizada pelo semanário "Le Point" segundo a qual Aupetit teria tido uma relação sentimental com uma mulher em 2012. Uma relação, aliás, negada pelo próprio arcebispo que de fato afirmou ter interrompido os contatos com a senhora, quando a relação corria o risco de se tornar demasiado exigente.

A investigação de Le Point também acusou Aupetit de excesso de autoritarismo na gestão da Igreja local. O próprio prelado falou sobre este tema e sobre a situação como um todo no último dia 30 de novembro em uma mensagem de áudio à diocese. “Claro é normal que as decisões tomadas possam gerar frustrações e amarguras - esta é a sua reflexão sobre o assunto -. Mas eu nunca as tomo sozinho. Estou cercado por numerosos conselheiros. São sacerdotes, diáconos e leigos e sempre almejei que cada vez mais mulheres pudessem participar ativamente, porque considero insubstituível sua contribuição de discernimento. Mas também é verdade que embora uma decisão seja tomada em comum, é preciso que eu tenha que assumi-la e me responsabilizar por ela e com isso também os possíveis descontentamentos que pode gerar”.

Quanto à suposta relação afetiva, a resposta foi peremptória. “Quem me conhecia na época, e que partilha comigo a minha vida cotidiana, pode certamente testemunhar que nunca vivi uma vida dupla como o artigo sugere. Reconheço - como já disse - que geri mal a situação com uma pessoa que entrou em contato várias vezes comigo. Eu confiei esse erro ao meu diretor espiritual e as autoridades eclesiásticas foram informadas”.

A partir de hoje, como mencionado, a direção da arquidiocese de Paris está temporariamente confiada a um administrador apostólico. Trata-se de monsenhor Georges Paul Pontier, 78, arcebispo emérito de Marselha, diocese que dirigiu por 13 anos. Ex-presidente da Conferência Episcopal Francesa, de 11 de janeiro a 11 de julho de 2021 foi administrador apostólico de Avignon.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV