Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A curta vida do Homo sapiens

    LER MAIS
  • Itália. “A esquerda perdeu o povo porque não defendeu o direito à felicidade”

    LER MAIS
  • A paciência do papa idoso é posta à prova

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Agosto 2022

 

“O verdadeiro arrependimento nos leva a nos aproximarmos de Deus com um sentimento de admiração, temor e contrição. A escrupulosidade nos afasta de Cristo por medo e desconfiança”, escreve Amanda Knapp, escritora sobre fé e saúde mental, em artigo publicado por America, 27-07-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Eu nem sempre sabia o que significava escrupulosidade, mas sempre soube que havia algo diferente em mim. Lembro-me da sala de aula do jardim de infância, onde confessei ao professor que fiz algo que não fiz. Havia a menor possibilidade de que talvez eu tivesse feito isso, mas esquecido. Esse pouco de dúvida foi o suficiente para me convencer da minha culpa.

 

Eu penso nos confessionários onde eu sinceramente despejava todos os meus pecados só para ouvir um padre dizer: “Hm, eu não tenho certeza se isso é exatamente um pecado”.

 

E penso nas incontáveis noites que passei acordada fazendo pesquisas no Google tentando descobrir se meu último deslize foi um pecado mortal.

 

Depois de anos de luta, finalmente encontrei algum consolo em Santa Teresa de Lisieux. Meu ego em meus anos de juventude sempre se eriçou com o jeito humilde de Santa Teresinha. Mas quando li em seu diário que ela também lutava com escrúpulos, soube que havia encontrado uma alma gêmea.

 

Eu gostaria de dizer que a compreensão do que são escrúpulos, e ver o problema descrito por uma das doutoras da Igreja, me permitiu ver o problema com clareza e começar a corrigi-lo. Mas não foi tão fácil. Só saber que Santa Teresinha lutou não eliminou minhas próprias lutas.

 

O que fez, no entanto, foi me mostrar que minhas próprias lutas não eram prova de um mal implícito sobre mim. Afinal, como poderiam ser uma prova definitiva se Santa Teresinha também lutava contra escrúpulos? Talvez minhas lutas fossem... apenas lutas. Não, não encontrei uma solução para o meu problema, mas encontrei algo muito mais valioso. Encontrei um contexto para colocá-los.

 

A escrupulosidade patológica pode ser vista como uma espécie de sintoma moral de transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). A pessoa excessivamente escrupulosa, em vez de temer a contaminação por germes, teme cometer atos imorais. Uma pessoa escrupulosa muitas vezes tem dificuldade em determinar se algo é ou não um pecado. Eles podem até ter medo de que pensamentos que flutuam em sua cabeça espontaneamente possam colocá-los em um estado de pecado mortal.

 

Muitas vezes a pessoa escrupulosa é capaz de determinar racionalmente que algo não é pecado, mas não consegue abrir mão da pequena possibilidade de que possa ser. Como tudo, as pessoas podem ser mais ou menos escrupulosas, e nem todo mundo que sofre de escrúpulos tem um distúrbio psicológico, mas pode levar a isso.

 

Santo Inácio de Loyola há muito tempo é meu santo favorito e escreveu sobre escrúpulos. Ele escreveu que o diabo tenta a consciência delicada com escrúpulos, enquanto tenta a consciência frouxa com indiferença. “Se [o diabo] vê que uma pessoa não consente em nenhum pecado… ele a leva a julgar como pecaminosa algo em que não existe pecado”, escreve Inácio nos Exercícios Espirituais. Para a pessoa com a consciência relaxada, porém, “o inimigo trabalha para torná-la ainda mais relaxada”.

 

Este é um conceito que eu havia intuído há muito tempo, mas nunca tinha ouvido expresso de maneira tão clara e concisa antes. Eu sabia que a escrupulosidade me afastava de Deus. Eu sabia que não poderia ser de Deus se me levasse apenas ao medo e ao desespero. Eu nunca tinha entendido seu papel como uma tentação, no entanto, até ler as palavras de Inácio.

 

Olhando em volta, é fácil ver que muitas pessoas simplesmente não serão tentadas a cometer pecados graves sem travar uma grande luta. Mas essas mesmas pessoas podem cometer talvez o pecado menor, mas ainda extremamente grave, de não confiar em Deus.

 

Para muitos, isso é escrupulosidade. É uma rejeição da misericórdia de Deus. Os escrupulosos caem na armadilha de ver Deus como alguém que quer nos ver cair, em vez de nos erguer depois de termos caído. Esta era minha armadilha, minha tentação. Eu amo Deus; Eu quero fazer a sua vontade. O diabo pega esse amor e esses desejos e os transforma em algo feio. Ele me apresenta minha fraqueza e me cega para o poder redentor do amor de Deus. O diabo tenta me cegar para o poder da cruz.

 

Conhecer essa tática do maligno não tirou minha escrupulosidade, mas me deu uma lente para examiná-la. Agora, quando me vejo tentada a evitar a Sagrada Comunhão por causa de um pecado moral percebido, mas não real, ou sou tentada a confessar às pressas sem um exame adequado apenas para tirar essa coisa do meu peito, lembro-me de que isso não é o trabalho da minha consciência bem formada. Em vez disso, é a obra da minha consciência tentada que caiu na armadilha. O verdadeiro arrependimento nos leva a nos aproximarmos de Deus com um sentimento de admiração, temor e contrição. A escrupulosidade nos afasta de Cristo por medo e desconfiança.

 

Nem sempre fui católica praticante. Por cerca de uma década, no início da minha vida adulta, rejeitei a Igreja porque acreditava que ela havia me rejeitado. Eu acreditava nas pessoas que pregavam apenas condenação, e falhei em ouvir aqueles que pregavam redenção. Eu concordei com aqueles que sustentaram meu pecado, me mostraram minha fraqueza e então me disseram que esses pecados me tornavam indigna até mesmo de me aproximar de Deus. Eu acreditava na condenação do pecado sem também me apegar à verdade da reconciliação. Não acho que seja coincidência que esses anos também tenham sido os que mais lutei com problemas de saúde mental.

 

Gosto de pensar que cresci e amadureci em minha fé desde então. Mas sempre que me permito cair na escrupulosidade, lembro-me mais uma vez de quão fraca sou; quão prontamente eu pareço disposta a jogar fora a misericórdia que Jesus morreu na cruz para nos dar.

 

A escrupulosidade provavelmente vai ficar comigo até o túmulo, porque é uma maneira fácil para o mal me desviar. Mas agora que entendo o contexto em que prospera, vejo com mais clareza as mentiras que prega. Entendo que, embora isso ainda seja e provavelmente sempre será uma grande luta para mim, não estou sozinho nessa luta. Não tenho figuras menores do que Santa Teresinha e Santo Inácio para agradecer por essa percepção.

 

Acho que esse é um dos maiores dons que o Senhor nos deu com sua Igreja. Ele nos deu séculos de almas gêmeas que tentaram trilhar a mesma estrada estreita e foram vítimas das mesmas más influências. Não precisamos fazer isso sozinhos, e nunca precisaremos 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV