Metodistas incentivam grupos de apoio a idos@s

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS
  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • Simone Weil: Uma carta de coração

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Abril 2020

A Igreja Metodista do Brasil está sugerindo a suas congregações espalhadas pelo país a constituírem grupos de apoio a pessoas idosas, que estão reclusas em casa por causa do coronavírus. “O isolamento social não precisa significar solidão e abandono para ninguém, e a comunidade de fé pode e deve ajudar para que isso não aconteça”, assinala a recomendação “Tempo de agir com fé e sabedoria”.

A informação é de Edelberto Behs, jornalista, que já foi coordenador e professor do curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos.

O texto, elaborado por Andreia Fernandes e Amanda Oliveira Praia, do Departamento Nacional de Escola Dominical da Igreja Metodista, enfatiza que pessoas idosas não são incapazes e que elas podem surpreender. “Infelizmente a mídia, aliada ao senso comum, por vezes passa uma imagem equivocada ou reforça estereótipos”, alerta a mensagem.

Em nove itens, a Igreja Metodista apresenta sugestões de como fiéis e congregações podem auxiliar pessoas da terceira idade, que compõem o grupo de risco, a vencer esse período de isolamento social. A primeira recomendação sugere que seja elaborada uma lista de idos@s, metodistas ou não, que precisam de acompanhamento.

O grupo de apoio pode comprar alimentos e medicamentos, realizar pagamentos em bancos e outros serviços de rua, contatar as pessoas isoladas via telefone ou pelas redes sociais. A nota sugere que seja organizada uma agenda “estabelecendo quantas vezes por semana cada pessoa receberá ligações, o tempo médio de duração da chamada e os melhores horários”.

O ideal é que as pessoas idosas recebam os telefonemas sempre de pessoas diferentes, pois “isso colabora para que a troca de experiências seja mais diversificada”. E quando ligar, a pessoa deve investir tempo nessa conversa, que não deve focar apenas na pandemia, mas voltar-se a se conhecer melhor @ idos@ que está no outro lado da linha, valorizando sua história e trajetória de vida. Também é um momento para oração.

Nos contatos, é importante perceber o estado de humor d@ idos@. Se notar que el@ está triste ou deprimid@, é necessário alertar pessoas próximas – familiares, cuidador@s, pastor@s – para que possam investigar melhor a situação. A nota alerta sobre o cuidado de não expor a pessoa idosa, traindo a sua confiança.

A possibilidade de conversar com alguém proporciona um processo de aprendizagem. “Não encare isso apenas como serviço cristão ou um ato de generosidade. É mais do que isso! Olhe-a como uma oportunidade de aprender mais sobre a vida e a fé em Jesus com quem já viveu bastante”, finaliza a recomendação da Igreja Metodista.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Metodistas incentivam grupos de apoio a idos@s - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV