Rupnik. A palavra das vítimas

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Outubro 2023

"Em setembro, a Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores denunciou ao Papa graves problemas na gestão do caso do Pe. Marko Rupnik e a falta de proximidade com as vítimas. Consequentemente, o Santo Padre pediu ao Dicastério para a Doutrina da Fé que examinasse o caso e decidiu renunciar à prescrição para permitir a realização de um julgamento. O Papa está firmemente convencido de que se há algo que a Igreja deve aprender do Sínodo é ouvir com atenção e compaixão aqueles que sofrem, especialmente aqueles que se sentem marginalizados pela Igreja”. Com esta breve declaração, a Sala de Imprensa da Santa Sé comunicou a decisão do Papa Francisco que permite um julgamento canônico no caso Rupnik. A este respeito, Sophie Lebrun, da revista La Vie, recolheu as reflexões de uma das vítimas de Rupnik, a Irmã Samuelle, que aqui relatamos na nossa tradução do francês. 

A entrevista é publicada por La Vie, 27-10-2023 e reproduzida por Settimana News, 28-10-2023.

Eis a entrevista.

Como você ficou sabendo do possível julgamento canônico de Marko Rupnik?

Um jornalista italiano me enviou o documento oficial da Sala de Imprensa da Santa Sé. Lemos que o Papa “pediu ao Dicastério para a Doutrina da Fé que reexaminasse o caso e decidiu revogar a prescrição para permitir a realização de um julgamento”.

O Pontifício Conselho para a Tutela dos Menores e Pessoas Vulneráveis ​​chamou a atenção de Francisco para “graves problemas na gestão do caso” de Marko Rupnik e para a “falta de proximidade com as vítimas”.

Ainda me custa acreditar: é a primeira vez que há uma resposta clara e precisa do Vaticano sobre esta questão, e é para anunciar a possibilidade de um julgamento canônico, um caminho que até agora nunca tinha sido bem sucedido apesar de inúmeras tentativas. Isso deveria ter acontecido há muito tempo. Em qualquer caso, ao levantar a prescrição relativa a Marko Rupnik, o Papa está finalmente permitindo que justiça seja feita. Era a única maneira de fazer justiça seriamente.

Eu realmente espero que este seja o caminho a seguir. Parece-me interessante sublinhar o momento da decisão: é um sinal forte de que ela é anunciada no momento em que o Sínodo sobre a sinodalidade está concluindo e que a declaração de Roma se refere a ela.

Você tomou medidas em direção a um procedimento canônico?

Em meados de dezembro de 2022, a Cúria Geral da Companhia de Jesus criou um “grupo de referência para casos de denúncias contra jesuítas” ao qual contei a minha experiência. Meu testemunho juntou-se ao de cerca de quinze outras pessoas que se manifestaram naquele período.

Em fevereiro, o delegado das Casas Internacionais em Roma, Johan Verschueren, superior hierárquico de Marko Rupnik, anunciou ter recebido, ao longo de “um período de mais de 30 anos”, dos anos 1980 a 2018, testemunhos de “gente da Comunidade Loyola" (com sede em Ljubljana, na Eslovênia) da qual Marko Rupnik era o conselheiro espiritual, "de pessoas que faziam parte do Centro Aletti" e de "outras pessoas que afirmaram ter sofrido abusos de consciência, espirituais, psicológicos ou sexuais no parte do Padre Rupnik".

Fiquei impressionado com o fato de ele ter dito publicamente que considerava as nossas afirmações “credíveis”.

Tinha anunciado sanções contra ele, como a proibição de realizar projetos artísticos nas igrejas, além das já decididas alguns meses antes: a proibição de todas as atividades públicas ministeriais e sacramentais, ou seja, celebrar e ouvir confissões, acompanhar espiritualmente as pessoas, liderança de retiros ou exercícios inacianos e a proibição da comunicação pública. Um procedimento canônico também foi anunciado.

Esta foi a terceira investigação aberta contra Marko Rupnik. O que aconteceu no fim?

Como Marko Rupnik não cumpriu as sanções que lhe foram impostas, os jesuítas iniciaram contra ele um processo de expulsão. Em junho foi desligado da Companhia e nossos depoimentos não tiveram seguimento.

Anteriormente, o Dicastério para a Doutrina da Fé havia iniciado procedimentos canônicos, entre 2021 e 2022, com base em depoimentos de freiras e ex-freiras da Comunidade Loyola, que descreveram abusos sexuais nas décadas de 1980 e 1990. Na época, porém, o Vaticano decidiu não dar seguimento ao pedido devido ao prazo de prescrição.

Na sequência do escândalo mediático, soube-se que um julgamento anterior tinha ocorrido depois de um noviço ter relatado que recebeu absolvição durante a confissão, após ter sido abusado sexualmente durante o sacramento. Em 2020, ele havia sido excomungado, mas por se arrepender a excomunhão foi revogada. Os jesuítas tinham colocado restrições ao seu ministério, mas ele não as respeitou... e tudo permaneceu secreto.

Depois houve a visita canônica diocesana ao lugar onde você foi aluna de Marko Rupnik, o Centro Aletti...

No início de setembro, o Vicariato de Roma anunciou os resultados desta visita, que concluiu que havia “vida comunitária sã” e sem problemas. O relatório afirma que a pessoa que realizou a visita considerou os procedimentos contra Marko Rupnik “grosseiramente anômalos”.

Parecia realmente uma tentativa de reabilitar e questionar as ações dos jesuítas. Isto causou emoções muito fortes em diversas vítimas. Cinco deles publicaram uma carta aberta nos meios de comunicação italianos para expressar a sua indignação e exigir justiça: pela primeira vez assinaram usando os seus nomes verdadeiros.

Em outubro soube que a Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores e das Pessoas Vulneráveis ​​queria rever o caso. Parece que algumas das vítimas entraram em contato com a comissão. Com o anúncio de hoje da Santa Sé, podemos compreender que estas vítimas foram finalmente ouvidas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rupnik. A palavra das vítimas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU