Abusos sexuais de freiras, restrições ao jesuíta e artista Marko Rupnik

Mais Lidos

  • Ideias e paixões para a Igreja na Europa. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • “A maneira de viver dos indígenas é completamente diferente do modo que o agronegócio usa os territórios”. Entrevista com Manuela Carneiro da Cunha

    LER MAIS
  • “Bolsonaro e Trump mostraram que as ruas hoje podem ser da direita”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Dezembro 2022

Os fatos teriam ocorrido no início dos anos 1990 em uma comunidade de religiosas em Ljubljana. As acusações prescreveram, mas continuam em vigor para o sacerdote esloveno a proibição de confessar e acompanhar exercícios espirituais.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada por Repubblica, 05-12-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

O jesuíta esloveno Marko Rupnik, conhecido no mundo inteiro por seus mosaicos, está sujeito a “restrições”, como a proibição de confessar e de acompanhar exercícios espirituais, por abusos psicológicos e sexuais que remontam à década de 1990 cometidos contra religiosas da Comunidade Loyola de Ljubljana, embora as acusações tenham prescrito. A informação foi divulgada pela Companhia de Jesus, a mesma ordem religiosa do Papa Francisco, relatando o resultado de uma "investigação preliminar" concluída pelo Vaticano em outubro deste ano.

Um comunicado assinado pelo delegado das Casas interprovinciais romanas da Companhia de Jesus, publicado após o caso ter aparecido na internet nos últimos dias, informa que o dicastério para a Doutrina da Fé, responsável pelos processos canônicos relativos aos abusos sexuais, "recebeu uma denúncia em 2021 contra o P. Marko Ivan Rupnik S.J. a respeito de sua forma de exercer o ministério. Não houve menores envolvidos”, especifica a nota.

O dicastério, liderado por outro jesuíta, o cardeal espanhol Luis Ladaria, "pediu à Companhia de Jesus que instaure uma investigação preliminar relativa a este caso". Os jesuítas “nomearam imediatamente um instrutor externo (religioso de outro instituto) para a investigação. Várias pessoas foram convidadas a depor”.

Acusações prescritas

“Após ter estudado o resultado dessa investigação, segue a nota, o dicastério vaticano constatou que os fatos em questão eram considerados prescritos e, portanto, encerrou o caso, no início de outubro deste ano de 2022" .

"Durante a investigação preliminar, várias medidas cautelares foram tomadas contra o padre Rupnik", explica o comunicado dos jesuítas: "Proibição do exercício do sacramento da confissão, da direção espiritual e do acompanhamento dos exercícios espirituais". Além disso, "o padre Rupnik foi proibido de realizar atividades públicas sem a permissão de seu superior local". A nota especifica: “Essas medidas ainda estão em vigor hoje, como medidas administrativas, mesmo depois da resposta do dicastério para a Doutrina da fé”.

“Levamos a sério todas as denúncias”

“A Companhia de Jesus leva em séria consideração todas as denúncias contra um dos seus membros”, conclui a nota. “A missão da Companhia de Jesus é também uma missão de reconciliação. E queremos acolher a todos e a todas de forma aberta”.

Os fatos contestados datam do início dos anos 1990: tratar-se-ia de abusos psicológicos e sexuais contra as freiras da Comunidade Loyola de Ljubljana, fundada por uma religiosa de quem Rupnik era amigo e “padre espiritual”. A comunidade sofreu posteriormente intervenção, e D. Daniele Libanori, jesuíta, bispo auxiliar da diocese de Roma, ainda é comissário.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Abusos sexuais de freiras, restrições ao jesuíta e artista Marko Rupnik - Instituto Humanitas Unisinos - IHU