MPT pede multa de 10 milhões à Stara por assédio eleitoral

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A ruptura interna no tecido católico brasileiro. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS
  • “Não é uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia, é uma guerra pela reorganização da ordem mundial”. Entrevista com Maurizio Lazzarato

    LER MAIS
  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Outubro 2022

 

A empresa de maquinário agrícola Stara, de Não-Me-Toque, foi denunciada por coagir funcionários e fornecedores em favor de Bolsonaro.

 

A reportagem é de César Fraga, publicada por Extra Classe, 10-10-2022.

 

Na sexta-feira, 7 de outubro, o Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) ajuizou uma ação civil pública (ACP) nesta sexta-feira junto à Vara do Trabalho de Carazinho contra a empresa de implementos agrícolas Stara, sediada no munícipio de Não-Me-Toque (RS), por praticar assédio eleitoral a trabalhadores (funcionários diretos e de fornecedores da cadeia produtiva da empresa).

 

Segundo denúncia das Centrais Sindicais realizada ao MPT-RS na semana passada, diversas empresas gaúchas estão praticando coação eleitoral a funcionários e fornecedores a favor da candidatura de Jair Bolsonaro de forma orquestrada e premeditada.

 

Na ação (ACP nº 0020691-96.2022.5.04.0561), o MP do Trabalho pede a condenação da empresa ao pagamento de danos morais individuais, para cada pessoa que possuía, no mês de setembro de 2022, relação de trabalho com a Stara. Também é pedida a condenação ao pagamento de dez milhões de reais a título de danos morais coletivos.

 

A ação partiu das denúncias de coação eleitoral por parte da diretoria da empresa que vieram a pública na semana do dia 3/10, investigadas pelo MPT/RS. O assédio eleitoral teria ocorrido com trabalhadores e fornecedores terceirizados.

 

O MP do Trabalho gaúcho, justificou em seu site que a conclusão e providências do órgão “não têm nenhum cunho político ou partidário, mas de defender a Constituição Federal, assegurar a liberdade de orientação política e de voto aos trabalhadores, resguardando o direito de exercício da cidadania plena”.

 

Conforme o MPT, antes mesmo da divulgação da carta da empresa aos fornecedores, no dia 3 de outubro, a Procuradoria do Trabalho no Município em Passo Fundo já havia recebido desde setembro denúncias de tentativas de coação eleitoral, inclusive por meio de áudios, e estava apurando os fatos.

 

Após as denúncias, o MPT solicitou esclarecimentos e encaminhou à empresa cópia da Recomendação n. 01/2022 da Coordenadoria Nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade) do MPT.

 

A mesma empresa também já havia sido denunciada junto ao Ministério Público do Trabalho nas eleições de 2018 em virtude da prática de assédio eleitoral. Naquela oportunidade, foi realizada audiência com a empresa e expedida recomendação para a preservação da liberdade de consciência e de orientação política de seus empregados.

 

Na ação impetrada no dia 7, o MPT-RS argumenta que o efeito da imensa repercussão das notícias sobre a redução da produção na empresa – bem como de redução das aquisições junto aos seus fornecedores – tem, como resultado, gerar um clima de apreensão e insegurança em toda a coletividade de trabalhadores, não apenas da Stara, mas da cadeia produtiva.

 

MPT pediu que empresa cesse coações

 

O MPT pede, em caráter liminar, que a empresa se abstenha de veicular propaganda político-partidária em bens móveis e demais instrumentos laborais dos empregados; de adotar quaisquer condutas que, por meio de assédio moral, discriminação, violação da intimidade ou abuso de poder diretivo, intentem coagir, intimidar, admoestar e/ou influenciar o voto de quaisquer de seus empregados no pleito do dia 30 de outubro.

 

A ação também pede, que a justiça determine que a empresa se abstenha de obrigar, exigir, impor, induzir ou pressionar trabalhadores para realização de qualquer atividade ou manifestação política em favor ou desfavor a qualquer candidato ou partido político, bem como reforce em comunicados por escrito o direito livre de escolha política dos trabalhadores. A ação será agora apreciada pelo judiciário.

 

Foto: Reprodução | Extra Classe

 

Entenda o caso

 

Documento da fabricante de máquinas e implementos agrícolas Stara foi destinado a fornecedores no primeiro dia após a votação em primeiro turno no país.

 

Alegando “atual instabilidade política e possível alteração de diretrizes econômicas no Brasil” diz que se o resultado se mantiver no segundo turno, (Nota da redação: com a eleição de Luís Inácio Lula da Silva) “deverá reduzir sua base orçamentária para o próximo ano em pelo menos 30%”.

 

Com a assinatura de Fábio Augusto Bocasanta, diretor administrativo financeiro, a empresa diz que a medida afetará em consequência “nosso poder de compra e produção, desencadeando uma queda significativa em nossos números”.

 

O ofício

 

Extra Classe recebeu o ofício da Stara de três fornecedores da empresa. Todos pediram sigilo, mas relatam que, nos grupos de WhatsApp que participam, o teor do documento teve forte repercussão.

 

De um lado, um diz: “Sabe como é, né? Tem gente que parece que se alimenta de fake news”, apontando uma possível preocupação que circulou na cadeia que atende a Stara.

 

Outro interlocutor reage indignado. “Isso aí é o Gilson mostrando as garras”. Segundo ele, o clima na cidade é de terror e as ameaças também chegaram aos trabalhadores de diversas empresas. “Estão dizendo aí que lá na Stara, de cara, serão mais de 1.500 demitidos. Fora outras”.

 

Abuso econômico

 

O nome referido pela fonte de Extra Classe é Gilson Lari Trennepohl, presidente do conselho de administração da Stara e vice-prefeito de Não-Me-Toque.

 

Trennepohl apoia Jair Bolsonaro (PL) desde a eleição de 2018 e está sob investigação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por suposto abuso de poder econômico protagonizado nos desfiles de 7 de setembro em Brasília.

 

Ele é o segundo maior doador da campanha do Bolsonaro. Doou R$ 350 mil. Ficou atrás apenas do ex-piloto Nélson Piquet, que deu R$ 501 mil.

 

A Ação de Investigação Judicial (AIJE) aberta pelo ministro corregedor do TSE, Benedito Gonçalves, atendeu pedido da de coligação que apoia o ex-presidente Lula, (PT, PV, PC do B, Psol, Rede, PSB, Solidariedade, Avante, Agir e Pros).

 

Na decisão que colocou o empresário sob investigação no dia 11 de setembro, o corregedor afirma que a participação de máquinas agrícolas no desfile que tradicionalmente era realizado por militares foi feita “para marcar a proximidade do candidato Bolsonaro ao agronegócio, ao ponto de os veículos serem dirigidos por motoristas com camisetas em apoio a este”, escreveu Gonçalves.

 

Na ação, Trennepohl figura entre dezoito nomes. Nela, além do presidente e seu vice na chapa para sua atual candidatura, o general Walter Braga Netto, estão ainda o empresário Luciano Hang, o ex-ministro Fábio Faria, o pastor Silas Malafaia, entre outras personalidades.

 

Em vídeo, o empresário e vice-prefeito de Não-Me-Toque afirma que está sendo “processado de forma indevida”, pois nem estava em Brasília. “Querem nos calar e acabar com a liberdade do Brasil”, protestou ao dizer que a ação é uma tentativa de calar a voz dos que apoiam o presidente e candidato à reeleição.

 

Centrais sindicais denunciaram prática orquestrada por diversas empresas

 

A Central Única dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul (CUTRS) e demais centrais se reuniram nessa sexta-feira, 7, com o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS), Rafael Foresti Pego, para denunciar assédio orquestrado de empresas a funcionários para que votem nos candidatos dos patrões.

 

As centrais foram solicitar ao órgão uma força tarefa para coibir a tentativa de “voto de cabresto” que está sendo verificado em diversas empresas no estado. “Consideramos isso crime eleitoral, abuso de autoridade contra a democracia”, afirmou o presidente da CUTRS, o professor Amarildo Cenci.

 

Leia nota técnica do MPT para coibir coação eleitoral aqui.

 

Com informações complementares de Marcelo Menna Barreto para o Extra Classe e MPT-RS.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

MPT pede multa de 10 milhões à Stara por assédio eleitoral - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV