O ensino da Igreja sobre a dignidade da mulher mudou minha opinião sobre a criminalização do aborto

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Agosto 2022

 

“Meu absolutismo católico da década de 1980 buscou que a lei civil restringisse o aborto o máximo possível porque apenas o direito à vida do feto importava. Mas isso é simples demais: afirma apenas uma injustiça em jogo nessas questões. Seria melhor, diz a teóloga Kathleen Bonnette, também reconhecer um paradoxo doloroso e inevitável: que por sua natureza coercitiva leis que visam restringir a injustiça do aborto podem também violar a integridade corporal das mulheres”, David DeCosse, diretor de ética religiosa e católica do Markkula Center for Applied Ethics da Santa Clara University, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 04-08-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 


Foi um argumento hermético que foi assim: o aborto é uma violação da lei moral universal, sem exceções, contra a retirada direta de vidas inocentes. Esta lei moral deve ser refletida tanto quanto possível na lei civil. Qualquer invocação de um direito de violar tal lei moral e civil é absurda. O caso contra o aborto legal é definitivo do significado da fé católica.

 

Seguindo essa lógica, em 1980 e 1984 votei em Ronald Reagan para presidente principalmente pela sua capacidade de nomear juízes para a Suprema Corte dos Estados Unidos que derrubariam a sentença do caso Roe vs. Wade, a decisão de 1973 que estabeleceu o direito constitucional de escolher o aborto.

 

Quarenta anos depois, já não penso assim. Quando a decisão do caso Dobbs vs. Organização de Saúde da Mulher da cidade de Jackson que eliminou o direito de escolher um aborto foi anunciada em 24 de junho, eu a li e me encontrei mais de acordo com o juiz John Roberts, que disse: “Tanto a opinião da Corte quanto a dissidência mostram uma liberdade implacável de dúvidas sobre a questão legal que não posso compartilhar”;

 

Certamente, questões do coração influenciaram a mudança em meu pensamento: um casamento fracassado; ouvir longamente histórias complexas de sexo e sofrimento; semanas passadas no Los Angeles Catholic Worker trabalhando com as vulnerabilidades imprevistas dos moradores de Skid Row. Essas experiências moveram meu coração das expectativas confortáveis de minha educação suburbana para um mundo cru, incapaz de esconder seus dramas de graça e pecado. A mudança no meu pensamento sobre direito e aborto surgiu dessas experiências.

 

Uma mudança superou todas as outras: a inclusão de todas as implicações da dignidade da mulher em minhas reflexões morais sobre o assunto. Nunca duvidei do direito à vida do feto. Mas duas implicações da dignidade das mulheres foram especialmente formativas para expandir minha compreensão da gama de valores em jogo em questões de direito e aborto: a plena agência moral das mulheres e seu direito à integridade corporal.

 

A agência moral das mulheres grávidas

 

Em sua encíclica Evangelium vitae de 1995, o Papa João Paulo II disse que ninguém pode apelar à autoridade da consciência para justificar o aborto, uma vez que nunca é permitido violar a lei moral universal e sem exceções contra a retirada direta de vidas inocentes. Essa maneira de colocar as coisas capturou perfeitamente meu pensamento no início dos anos 1980. Mas comecei a achar o argumento incompleto e até mesmo involuntariamente ofuscante: eu podia ver o papel do feto, mas qual era o papel da mulher grávida no argumento?

 

Ou as mulheres pareciam totalmente ausentes de tais argumentos, que se concentravam inteiramente no direito à vida do feto, ou as mulheres eram vistas como indivíduos presentes, mas irrefletidos, cujos corpos eram cenas contestadas de luta legal por outras pessoas, ou as mulheres grávidas eram vistas corretamente como objetos de compaixão, mas não vistos como agentes morais plenos capazes de decidir sobre um assunto tão íntimo.

 

Uma declaração concisa e poderosa da irmã Teresa Forcades, uma beneditina catalã, convenceu-me da incompletude de tais pontos de vista. Em 2009, Forcades falou em uma entrevista na televisão a favor do “direito da mãe decidir” em matéria de direito civil e aborto. Em resposta, o Vaticano exigiu sua afirmação pública da doutrina moral da Igreja. Por sua vez, Forcades emitiu uma declaração pública argumentando que a questão da lei e do aborto deveria ser devidamente considerada no pensamento católico como um choque de absolutos: o absoluto do direito à vida e o absoluto do direito à autodeterminação diante de Deus por qualquer mulher grávida.

 

“Autodeterminação”, argumentou ela, é um “direito fundamental que protege a dignidade humana e proíbe absolutamente e sob quaisquer circunstâncias que uma pessoa seja usada como objeto... o direito à autodeterminação é o direito à vida espiritual”. Mas ela também argumentou: “Ninguém, nem o Estado, nem a Igreja, nem a mãe, tem o direito de violar o direito à vida do feto”.

 

Forcades tem o mérito de nomear em termos católicos a dificuldade real que enfrentamos com a lei e o aborto. Não é o conflito que imaginei há 40 anos entre os que dizem a verdade e os relativistas amantes da liberdade. Em vez disso, é um conflito de bens absolutos. Ver as coisas sob essa luz ajuda a trazer à tona o direito de uma mulher de exercer seu arbítrio moral – ou, na terminologia de Forcades, sua autodeterminação – especialmente quando confrontada com uma gravidez difícil. Quarenta anos atrás, a lei moral em tais assuntos me parecia universal e sem exceções. Refletindo agora sobre a dignidade da mulher grávida manifestada em sua agência moral, penso que deve haver exceções.

 

O direito à integridade corporal

 

Poucos slogans estimularam mais minhas energias de militância pró-vida no passado do que “meu corpo, minhas regras”. No slogan, leio a história relativista de nosso tempo, que em nome de uma realidade material como o corpo, vale tudo. Também me senti um com a Igreja Católica nos Estados Unidos ao pensar que nossa batalha pelo aborto era justamente com o absolutismo pró-escolha que o slogan representava.

 

Mas com o tempo comecei a pensar diferente sobre o slogan. Primeiro, ficou óbvio que a maioria das pessoas pró-escolha não eram os absolutistas empunhando slogans das minhas fantasias de guerra cultural passadas. E, em segundo lugar, comecei a refletir sobre a importância permanente do corpo no pensamento moral católico e, assim, a considerar se, mesmo em nome do direito à vida, é uma injustiça usar a força coercitiva da lei para obrigar grávidas mulheres usarem seus corpos de uma maneira prescrita por outros?

 

Escrevendo recentemente nos Estados Unidos, a teóloga Kathleen Bonnette pediu mais atenção no pensamento católico sobre direito e aborto para o direito à integridade corporal das mulheres grávidas. Com base nos escritos do Papa João XXIII, ela explicou o direito de significar “o reconhecimento de que nossos corpos são nossos, eles importam, e temos o direito de determinar o que ou quem tem acesso a eles”.

 

Tal como acontece com a afirmação de Forcades do direito à autodeterminação, o argumento perspicaz de Bonnette sobre o direito à integridade corporal nomeia um fato moral muitas vezes ausente das considerações católicas sobre o aborto. Seu argumento também convida a um foco tardio nas muitas maneiras pelas quais a integridade dos corpos das mulheres é ameaçada por agressão sexual e estupro, pela própria gravidez e especialmente gestações com risco de vida, e por uma falta ultrajante e muitas vezes racializada de assistência médica para as grávidas e pós-parto pobre.

 

Meu absolutismo católico da década de 1980 buscou que a lei civil restringisse o aborto o máximo possível porque apenas o direito à vida do feto importava. Mas isso é simples demais: afirma apenas uma injustiça em jogo nessas questões. Seria melhor, diz Bonnette, também reconhecer um paradoxo doloroso e inevitável: que por sua natureza coercitiva leis que visam restringir a injustiça do aborto podem também violar a integridade corporal das mulheres. Bonnette diz que a lei civil ainda pode restringir o aborto. Mas ela também insiste que, por uma questão de respeito pela integridade corporal das mulheres, a igreja deve se voltar mais para métodos de persuasão. Bonette está certa. A abordagem católica do aborto se baseou demais na lei.

 

Na década de 1980, minha razão católica contra o aborto era incontestável. As únicas coisas que faltavam eram as mulheres grávidas envolvidas no assunto.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O ensino da Igreja sobre a dignidade da mulher mudou minha opinião sobre a criminalização do aborto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU