Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

Papa Francisco segurando uma bandeira da Ucrânia ensanguentada, junto a crianças refugiadas da guerra no país. Foto: Paul Haring | CNS

23 Mai 2022

 

“Hoje, vejo o chamado do Papa Francisco para transformar a Igreja de uma instituição clerical rígida em uma jornada comunitária dinâmica como paralela a outros períodos de mudança na Igreja e no mundo secular. Assim como a democratização da Igreja durante a Reforma contribuiu para a democratização da sociedade, também o princípio da sinodalidade (syn-hodos, “caminho comum”) pode ser uma inspiração não apenas para a Igreja Católica praticar a abertura às relações ecumênicas, inter-religiosas e cooperação intercultural, mas também por uma cultura política de convivência em um mundo pluralista. Agora o mundo está em guerra, mas devemos pensar no mundo pós-guerra. Não devemos repetir velhos erros e subestimar a energia espiritual das religiões do mundo”, escreve Tomáš Halík, padre clandestino na República Socialista da Tchecoeslováquia, professor e psicólogo, em artigo publicado por America, 18-05-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

As palavras proféticas do Papa Francisco vieram como verdade neste ano: nós estamos vivendo não apenas em uma época de mudanças, mas em uma mudança de época. Papa Francisco fala há muito tempo sobre a “Terceira Guerra Mundial em capítulos”. Agora, até mesmo o porta-voz de Vladimir Putin está falando sobre o fato de a Terceira Guerra Mundial já ter começado.

 

 

Um novo mapa geopolítico do mundo está tomando forma. Uma nova ordem mundial, uma nova moral na política, economia e cultura internacional. Um novo capítulo da história está começando. Desde o começo deste milênio, a ordem democrática ocidental tem sido submetida a uma série crescente de testes à sua resiliência, durabilidade e credibilidade: os ataques terroristas de 11 de setembro, as crises financeiras, o Brexit, o governo populista de Donald Trump, a pandemia de coronavírus – e agora a agressão russa contra a Ucrânia, representando a destruição cínica do sistema de direito internacional estabelecido nas décadas posteriores à Segunda Guerra Mundial.

 

A cegueira e a apatia dos políticos europeus, os quais são guiados apenas por interesses econômicos, contribuiu para o crescimento da Rússia a um estado terrorista. A Rússia se excluiu do mundo civilizado com a ocupação da Crimeia e o atual genocídio na Ucrânia, e agora chantageia e ameaça esse mundo. Nós não sabemos como o isolamento internacional, a pobreza e a humilhação afetarão a sociedade russa. Nós não sabemos se isso fortalecerá uma oposição democrática ou, pelo contrário, despertará um movimento nacionalista-fascista, como aconteceu com a Alemanha depois da Primeira Guerra Mundial. A única coisa certa é que mesmo depois do fim da guerra na Ucrânia, o mundo não retornará à forma do começo deste ano.

 

Se o Ocidente agora não quer ou não pode ajudar suficientemente a Ucrânia para parar a agressão russa e defender sua independência nacional, se o Ocidente sacrifica a Ucrânia com base na falsa ilusão de que isso salvará a paz mundial – como aconteceu no caso da Tchecoslováquia no limiar da Segunda Guerra Mundial – então isso será um incentivo não apenas para uma maior expansão russa, mas para todos os ditadores e agressores ao redor do mundo.

 

Putin está tão entusiasmado com a rendição da Ucrânia porque sabe muito bem que isso mostraria a fraqueza do Ocidente para o mundo inteiro e seria uma rendição de fato de todo o sistema de democracia liberal. Afinal, esse sistema se sustenta ou cai no capital de confiança que as pessoas depositam na eficácia das instituições democráticas; essa confiança já foi abalada, e qualquer enfraquecimento posterior pode ter consequências fatais.

 

Vladimir Putin conseguiu – contra sua vontade – fazer da Ucrânia uma nação política determinada e unida que trata a noção de pertencimento à Europa não apenas como uma frase retórica barata, mas como um valor pelo qual milhares de pessoas estão dando suas vidas. A Ucrânia está assinando seu pedido de adesão à União Europeia com seu sangue. A Ucrânia é agora mais “europeia” do que muitas das chamadas terras centrais da Europa.

 

Putin também conseguiu – contra sua vontade – unir o Ocidente até certo ponto. A difícil tarefa permanece, no entanto, para o Ocidente transformar sua unidade contra um inimigo comum em uma unidade mais profunda e positiva. Para que o processo de integração europeia continue num espírito democrático – o que é não só desejável, mas necessário – deve tomar forma um demos europeu, uma comunidade de valores pela qual estamos dispostos a se sacrificar muito. Esta é uma tarefa cultural, moral e espiritual.

 

A guerra de hoje na Ucrânia está ensinando ao mundo inteiro uma lição valiosa: mesmo os planos de uma superpotência nuclear podem fracassar se forem combatidos com coragem e força moral e mobilizados por líderes com credibilidade pessoal, vontade de fazer um autossacrifício extremo e um presente para comunicação persuasiva. O Ocidente hoje tem algum líder político que possa mobilizar força moral como Volodymyr Zelensky?

 

 

Uma batalha de ideias

 

Após o 11 de setembro, a secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, enfatizou que a “guerra ao terror” não poderia ser apenas uma guerra de armas; também tinha que ser uma batalha de ideias.

 

A sociedade secular subestimou o poder da linguagem religiosa, símbolos e rituais. A linguagem secular muitas vezes não é capaz de transmitir emoções fortes em situações de crise. Como resultado, os termos religiosos aparecem espontaneamente na linguagem dos políticos – mesmo aqueles que estão muito distantes da fé pessoal e da ética religiosa – ao invocar imagens sugestivas do inconsciente coletivo da sociedade.

 

Mas a linguagem, os símbolos e os rituais religiosos podem ser usados de maneira construtiva ou destrutiva. Os extremistas islâmicos conseguiram aproveitar o potencial da energia religiosa para seus próprios propósitos. Que potencial espiritual tem a sociedade secular ocidental? Que papel o cristianismo pode desempenhar no Ocidente? As Igrejas cristãs se recuperaram o suficiente das revelações da crise dos abusos sexuais, da pandemia e da última onda de secularização das sociedades ocidentais?

 

Da experiência de teólogos na linha de frente da Primeira Guerra Mundial, como o jesuíta Pierre Teilhard de Chardin e Paul Tillich, surgiu uma nova teologia, uma nova concepção de Deus e da relação entre Deus e o mundo. Uma nova energia espiritual, com novas visões inspiradoras para a forma futura do mundo, emergirá dessa guerra?

 

 

A relação entre religião e política

 

Parece que temos que fazer novamente a pergunta sobre a relação entre política e religião. Alguns ditadores e líderes de regimes autoritários instrumentalizam deliberadamente a religião politicamente. Quando Stalin percebeu que os povos do Império Soviético (especialmente a Ucrânia) não estavam prontos para lutar pelo comunismo quando as tropas de Hitler invadiram, ele redefiniu o conflito como a “Grande Guerra Patriótica”, na qual padres ortodoxos, com ícones nas mãos, marcharam à frente das tropas do Exército Vermelho.

 

Putin, um grande admirador de Stalin, também reconheceu que a “Grande Rússia” que ele busca precisa de um impulso espiritual, e por isso está tentando instrumentalizar a Igreja Ortodoxa Russa. Alguns dos líderes da Igreja são seus ex-colegas da KGB. A indústria de propaganda russa visa especificamente os cristãos conservadores que podem simpatizar com Putin, e procura retratá-lo como o novo imperador Constantino que salvará o cristianismo da influência corrosiva do protestantismo e do liberalismo ocidental.

 

Enquanto isso, Viktor Orbán da Hungria e alguns líderes da Polônia também se retrataram como salvadores da cultura cristã em suas críticas à União Europeia. Em seu papel como primeiro-ministro, Orbán proclama (e implementa) um modelo de “democracia iliberal” que está próximo da “democracia manipulada” de Putin – na verdade, são eufemismos para Estado autoritário. Na Polônia, a aliança de políticos populistas-nacionalistas com certos círculos na liderança da Igreja – juntamente com a revelação de um nível chocante de abuso sexual, psicológico e espiritual por parte do clero – levou à atual dramática perda de confiança na Igreja, especialmente entre a geração mais jovem. Essa aliança entre o cristianismo conservador e o nacionalismo prejudica a Igreja muito mais do que meio século de perseguição comunista; a Polônia está agora passando pelo processo de secularização mais rápido da Europa.

 

Existe alguma forma de cristianismo no mundo de hoje que possa ser uma fonte de inspiração moral para uma cultura de liberdade e democracia? Devemos procurar uma forma que não seja uma imitação nostálgica do passado, mas que respeite o fato de que nosso mundo não é, e nunca será, religiosa ou culturalmente monocromático, mas sim radicalmente pluralista.

 

O conceito de religião (religio) é etimologicamente derivado do verbo latino religare, “reunir”. A religião era entendida como uma força integradora na sociedade. Esse papel foi amplamente cumprido pelo cristianismo pré-moderno dentro da Christianitas medieval. Mas esse capítulo na história do cristianismo acabou há muito tempo. Seguiu-se a época da modernidade, durante a qual o cristianismo se tornou apenas uma das muitas “visões de mundo”. O cristianismo foi então considerado como uma religião dividida em diferentes denominações representadas por diferentes igrejas. Hoje, esta forma de cristianismo está em uma grave crise.

 

Até agora, a relação entre religião e política tem sido vista principalmente como uma relação entre Igreja e Estado. No curso da globalização, no entanto, as Igrejas perderam o monopólio da religião e os Estados-nação perderam o monopólio da política. O principal concorrente da religião organizada hoje não é o ateísmo ou o humanismo secular, mas a espiritualidade não eclesiástica, por um lado, e a religião como ideologia política, por outro. No curso da secularização, a religião não desapareceu, mas sofreu uma profunda transformação. Seu papel na sociedade e na vida das pessoas está mudando.

 

O papel da religião como força integradora da sociedade foi assumido por outros fenômenos sociais no processo de globalização da modernidade tardia, especialmente pelo mercado global de bens e informações (incluindo os meios de comunicação de massa). Hoje, o processo de globalização, juntamente com a ordem política e econômica existente, está passando por profundas reviravoltas e mudanças. Não existe uma força unificadora global. Se a atual unidade do Ocidente se baseasse apenas na defesa contra a Rússia, não duraria. Da mesma forma, para que o processo de unificação mundial continue, não podemos confiar apenas nos aspectos econômicos da globalização. A cura do mundo pressupõe uma força espiritual inspiradora.

 

 

Para curar as feridas do mundo

 

O Papa Francisco apresentou uma visão da Igreja como um “hospital de campanha”. Tal Igreja não permanece em “esplêndido isolamento” do mundo contemporâneo, nem trava a priori “guerras culturais” perdidas dentro dele. Se a Igreja deve ser um hospital de campanha, seu ministério terapêutico também pressupõe a capacidade de diagnosticar com competência a saúde do nosso mundo.

 

Suspeito que a religião no futuro será mais parecida com o significado do verbo re-legere, “ler de novo”. Oferecerá uma “reflexão”, uma nova hermenêutica: uma capacidade de “leitura espiritual” e uma interpretação mais profunda tanto de suas próprias fontes (que é, no caso do cristianismo, a Bíblia e a tradição) quanto os “sinais dos tempos”. As visões da mídia, políticos e economistas precisam de tal complemento, que ofereça uma abordagem contemplativa do nosso mundo. Vejo inspiração valiosa para hoje e amanhã nos ensinamentos sociais do Papa Francisco. Estou convencido de que a encíclica “Fratelli Tutti” do Papa Francisco (incluindo os capítulos sobre a nova cultura da política) pode ter uma relevância semelhante para o século XXI como a “Declaração Universal dos Direitos Humanos” teve para o século XX.

 

Hoje, vejo o chamado do Papa Francisco para transformar a Igreja de uma instituição clerical rígida em uma jornada comunitária dinâmica como paralela a outros períodos de mudança na Igreja e no mundo secular. Assim como a democratização da Igreja durante a Reforma contribuiu para a democratização da sociedade, também o princípio da sinodalidade (syn-hodos, “caminho comum”) pode ser uma inspiração não apenas para a Igreja Católica praticar a abertura às relações ecumênicas, inter-religiosas e cooperação intercultural, mas também por uma cultura política de convivência em um mundo pluralista.

 

Agora o mundo está em guerra, mas devemos pensar no mundo pós-guerra. Não devemos repetir velhos erros e subestimar a energia espiritual das religiões do mundo.

 

Ao longo da história, a Europa foi a mãe de revoluções e reformas, foco de guerras mundiais e do processo de globalização. A Europa tem sido a origem de muitos dos desenvolvimentos culturais, científicos, econômicos e tecnológicos que se espalharam por todo o mundo, deixando uma importante luz assim como traços de trevas na história mundial. Hoje, o sonho de uma Europa unida “respirando com ambos pulmões”, Leste e Oeste, está ameaçado pelos perigosos tumores do nacionalismo, populismo e fundamentalismo, em ambos os pulmões. A potencial terapia, não a destruição, da religião precisa ser desenvolvida. Um tempo de crise é também sempre um tempo de novos desafios e oportunidades.

 

Leia mais

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV