Incêndios florestais aceleram derretimento de geleiras

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Mai 2022

 

Um novo estudo descobriu que a exposição à fumaça de incêndios florestais pode fazer com que as geleiras derretam mais rapidamente, afetando o escoamento das montanhas que fornece importantes recursos de água doce para a vida a jusante.

 

A reportagem é da University of Saskatchewan e reproduzida por EcoDebate, 01-05-2022. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

 

“A ocorrência e gravidade dos incêndios florestais está aumentando. Está ligada à mudança climática e ao manejo florestal passado, e tem amplas consequências para as atividades humanas e a ecologia”, disse Caroline Aubry-Wake, Ph.D. candidato na Faculdade de Artes e Ciências do USask e coautor do estudo ao lado do supervisor Dr. John Pomeroy (Ph.D.) e Ph.D. candidato André Bertoncini. Tanto Aubry-Wake quanto Bertoncini são membros estudantes do Global Institute for Water Security.

 

De 2015 a 2020, uma equipe de pesquisadores de hidrologia do USask observou cada estação de derretimento na Geleira Athabasca, parte do Campo de Gelo Columbia no Parque Nacional Jasper, Alberta. Com base na atividade do fogo naquele ano, eles analisaram o acúmulo de fuligem e cinzas na geleira e os efeitos da atividade solar que faz com que as geleiras derretam. Os resultados do estudo foram publicados recentemente no jornal da União Geofísica Americana, Earth’s Future.

 

Em anos com maior atividade de fogo, a fumaça do incêndio deixou depósitos de cinzas e fuligem no gelo da geleira, fazendo com que escurecesse e derretesse muito mais rápido. A superfície da geleira permaneceu escura mesmo depois que a temporada de incêndios passou, já que a vida microbiana provavelmente usou a fuligem como fonte de alimento e se reproduziu em um ritmo mais rápido durante esse período, disse o relatório.

 

O clima também desempenhou um papel nos efeitos sobre o derretimento das geleiras. Os dias esfumaçados são mais quentes e secos do que os dias ensolarados e contêm menos energia solar. Em dias ensolarados, o gelo mais escuro teve um aumento de 10% em sua taxa de derretimento. Por outro lado, se a fumaça estava presente no ar, o gelo foi preservado devido à diminuição da quantidade de sol atingindo a superfície da geleira.

 

 

Mapa do Campo de Gelo Columbia com as três principais geleiras de saída: Geleira Athabasca, Geleira Saskatchewan e Geleira Castleguard, com a localização da estação meteorológica automatizada mostrada com um círculo roxo. O Columbia Icefield é a cabeceira da bacia de drenagem que atinge os oceanos Atlântico, Pacífico e Ártico, como mostra o mapa inserido da América do Norte. As imagens de fundo são de 8 de agosto de 2018 obtidas do Sentinel-2 e a linha de elevação é derivada do modelo de elevação digital Shuttle Radar Topography Mission obtido em fevereiro de 2000 (Fonte: AGU Advancing Earth and Space Science)

 

“É incrível como podemos conectar os pontos sobre as mudanças climáticas dessa forma. Vemos secas causando incêndios, incêndios formando enormes nuvens de fumaça e cinzas, as cinzas cobrindo as geleiras e as geleiras derretendo a taxas crescentes por causa dos incêndios”, disse Pomeroy, Presidente de Pesquisa do Canadá em Recursos Hídricos e Mudanças Climáticas e diretor do Centro de Hidrologia, coautor do estudo e supervisor de Aubry-Wake.

 

“Essas geleiras são nossa conta de poupança de água para o futuro e uma parte crucial de uma paisagem de patrimônio mundial da UNESCO nas Montanhas Rochosas, então isso é preocupante de ver”, disse Pomeroy. “É útil, no entanto, agora perceber as interconexões entre incêndios florestais e derretimento de geleiras e entender melhor como o clima influencia ambos. Isso melhorará nossa modelagem hidrológica dos recursos hídricos das montanhas aqui e em todo o mundo.”

 

Referência

 

Aubry-Wake, C., Bertoncini, A., & Pomeroy, J. W. (2022). Fire and ice: The impact of wildfire-affected albedo and irradiance on glacier melt. Earth’s Future, 10, e2022EF002685. Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Incêndios florestais aceleram derretimento de geleiras - Instituto Humanitas Unisinos - IHU