Comunhão e Libertação - CL, padre Julián Carrón renuncia à presidência: a rendição incondicional às diretrizes do Papa Francisco

Mais Lidos

  • Congo está sendo “martirizado” devido a seus recursos naturais. Vaticano desafiará EUA e China?

    LER MAIS
  • Eucaristia e Casa Comum: entre a Vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Boss

    LER MAIS
  • Três coisas a saber sobre a visita do Papa Francisco ao Sudão do Sul

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Novembro 2021

 

Carrón conduziu ininterruptamente Comunhão e Libertação desde 2005, após a morte do fundador, e foi reconfirmado à frente da CL em 2008, 2014 e em 2020. A aceleração do passo para trás foi ditada pela guerra fria das últimas semanas com a Santa Sé. Bergoglio, de fato, recentemente colocou sob intervenção os Memores Domini, ou seja, os consagrados do movimento.

A reportagem é de Francesco Antonio Grana, publicada por Il Fatto Quotidiano, 15-11-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Uma rendição incondicional às diretrizes do Vaticano. No final, depois de um confronto que durou várias semanas com a Santa Sé e até com o Papa Francisco, o presidente da Comunhão e Libertação, dom Julián Carrón, renunciou. O sucessor direto de dom Luigi Giussani, fundador da CL em 1954, foi obrigado a aceitar a decisão irrevogável do Dicastério para os leigos, a família e a vida.

De acordo com o recente decreto emitido por esse órgão do Vaticano, de fato, os presidentes dos movimentos eclesiais não podem permanecer no cargo por mais de dez anos. Carrón liderou Comunhão e Libertação ininterruptamente desde 2005, ou seja, logo após a morte do fundador, e foi reconfirmado à frente da CL em 2008, em 2014 e em 2020 para um novo mandato de mais seis anos, que expiraria em 2026. As novas regras, porém, obrigaram-no a deixar o cargo até setembro de 2023.

A aceleração do passo para trás foi ditada pela guerra fria das últimas semanas com a Santa Sé. Bergoglio, de fato, recentemente colocou sob intervenção os Memores Domini, ou seja, os consagrados do movimento, que inclui também Roberto Formigoni e as quatro mulheres que assistem o Papa Emérito Bento XVI no mosteiro Mater Ecclesiae no Vaticano.

Uma decisão tomada em decorrência das graves falhas que emergiram na gestão do governo. Mas também pela desobediência da ex-presidente dos Memores Domini, Antonella Frongillo, e do próprio Carrón às diretrizes da Santa Sé. Imediatamente após a publicação do decreto do Dicastério para os leigos, a família e a vida que pôs fim às presidências vitalícias dos movimentos eclesiais, Carrón primeiro confirmou sua “plena disponibilidade para dar seguimento ao que lhe era pedido”.

Mas depois o cenário mudou e o confronto com o Vaticano começou. No dia 16 de setembro, Carrón e Frongillo não compareceram ao encontro dos líderes dos movimentos eclesiais com o Papa organizado pelo Dicastério presidido pelo cardeal Kevin Joseph Farrell. Em seu lugar, Carrón enviou o vice-presidente da CL, Davide Prosperi.

Daí a impossibilidade de a Santa Sé continuar um diálogo pacífico com os líderes em saída do movimento. Se para os Memores Domini o Papa nomeou como seu delegado especial o arcebispo de Taranto, monsenhor Filippo Santoro, ele também membro da CL, agora o novo presidente da Comunhão e Libertação deverá ser eleito de acordo com as disposições do novo decreto do Vaticano.

O passo para trás de Carrón ocorre no final de um cabo-de-guerra que inevitavelmente levaria o Papa colocar sob intervenção toda a CL. “Neste momento tão delicado da vida do movimento - escreve o sacerdote na carta em que comunica a sua decisão - decidi apresentar a minha renúncia ao cargo de presidente da fraternidade da Comunhão e Libertação, para favorecer a mudança da direção a que somos chamados pela Santo Padre, através do decreto sobre o exercício do governo dentro dos movimentos, se desenvolva com a liberdade que tal processo requer. Isso levará cada um a assumir pessoalmente a responsabilidade pelo carisma.

Foi uma honra para mim - continua Carrón - exercer esse serviço durante anos, uma honra que me enche de humilhação pelas minhas limitações e caso tenha falhado para com algum de vocês. Agradeço a Deus pelo dom da companhia de que usufrui, perante o espetáculo do vosso testemunho quotidiano, com o qual aprendi constantemente e com o qual quero continuar a aprender. Almejo que vivam esta circunstância como oportunidade para o crescimento de vossa autoconsciência eclesial, para continuar a testemunhar a graça do carisma doado pelo Espírito Santo a Dom Giussani, que faz de Cristo uma presença real, persuasiva e determinada, que nos investiu e nos arrastou para dentro de um fluxo de vida nova, para nós e para o mundo inteiro”.

A renúncia de Carrón ocorre poucos dias após a saída de um dos expoentes mais importantes do movimento, o cardeal Angelo Scola, do futuro conclave. O purpurado em 2011 foi transferido por Bento XVI da sé patriarcal de Veneza para aquela arcebispal de Milão também graças ao apoio do agora ex-presidente da CL.

Certamente, se ele tivesse sido eleito Papa no conclave de 2013, Scola não teria obrigado Carrón a renunciar, nem teria posto sob intervenção os Memores Domini, nem jamais teria tido com os membros do seu movimento os tons mordazes de Bergoglio: “Sair também significa rejeitar a autorreferencialidade, em todas as suas formas, significa saber ouvir quem não é como nós, aprendendo com todos, com humildade sincera. Quando somos escravos da autorreferencialidade, acabamos cultivando uma 'espiritualidade de etiqueta': 'Eu sou Cl'. Essa é a etiqueta.

E assim caímos nas mil armadilhas que nos oferece a complacência aautorreferencial, aquele jeito de nos olharmos no espelho que nos leva a ficar desorientados e a nos tornarmos meros empresários de uma ONG”. Palavras claras que sempre marcaram a profunda distância entre Francisco e dom Giussani. Ao contrário de Ratzinger que, poucas semanas antes de ser eleito Papa, no dia 24 de fevereiro de 2005, celebrou suas exéquias na catedral de Milão.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comunhão e Libertação - CL, padre Julián Carrón renuncia à presidência: a rendição incondicional às diretrizes do Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU