Revelações sobre Jean Vanier: “É hora de enfrentar a realidade”

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Secretário de Bento XVI chora ao falar sobre a saúde do papa emérito

    LER MAIS
  • Espanha. Tragédia migratória cresce na fronteira: o número de mortos nas fronteiras de Melilla e Marrocos subiu para 37. 35 estão em estado grave

    LER MAIS
  • Brasil no mapa da fome, o desperdício e a economia circular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Fevereiro 2020

A presidente da Conferência dos Religiosos e Religiosas da França acredita que levará tempo para entender como uma figura tão luminosa “pôde mascarar um lado tão sombrio”.

A reportagem é de Christophe Henning, publicada por La Croix International, 24-02-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A irmã dominicana Véronique Margron acredita que os esforços da comunidade L’Arche para descobrir a verdade sobre seu fundador, Jean Vanier, são salutares.

A Ir. Véronique é presidente da Conferência dos Religiosos e Religiosas da França (Corref) desde 2016.

Ela conversou com Christophe Henning, do La Croix, sobre as chocantes revelações sobre abuso sexual divulgadas no dia 22 de fevereiro sobre o homem que muitos acreditavam ser um santo.

Eis a entrevista.

Como você se sente sobre as revelações?

Acima de tudo, gostaria de sublinhar a coragem dessas mulheres que ousaram se pronunciar e denunciar o comportamento desviante de alguém considerado uma figura cristã imponente. Depois, não se pode deixar de reconhecer, mas com grande tristeza, o comportamento do qual ele foi considerado culpado. Por fim, devemos realmente elogiar a coragem da L’Arche International em seu trabalho e compromisso em revelar a verdade. O que foi revelado é muito chocante, mas indiscutível, porque a L’Arche trabalhou muito a sério e rapidamente com as fontes disponíveis. Poderíamos ter continuado ignorando que essa “mística sexual” desviante também fazia parte de Jean Vanier.

Essas revelações comprometem a L’Arche?

É um verdadeiro choque. Quem pode negar isso? Mas estou convencida de que a L’Arche tem uma história magnífica que continuará sendo escrita dia após dia, em tantos lugares ao redor do mundo. Acredito que o que salva a L’Arche é que a organização não depende de Jean Vanier há muito tempo. Ele deixou a liderança e o futuro para outros, que não eram seus “filhos ou filhas espirituais” no sentido religioso da palavra. Foi uma separação saudável, e, até hoje, não há nada que sugira que ele foi capaz de espalhar suas teorias místicas desviantes na L’Arche.

Certamente, ele manteve uma profunda influência emocional ou espiritual, que é dolorosamente sentida hoje. Mas a L’Arche está estruturada como uma federação de associações e contratou empregados e voluntários de acordo com procedimentos profissionais. Não me parece que Vanier tenha interferido nisso. Agora, mais do que nunca, a L’Arche precisa de seus voluntários, doadores e todos aqueles que fazem o que ela é hoje. Ela precisa da confiança de todos. Confiança com os olhos bem abertos, como em todas as coisas humanas.

Como podemos conjugar esse comportamento desviante com a intuição de Vanier sobre a L’Arche?

As lideranças da L’Arche iniciaram esse trabalho de descoberta da verdade, que – apesar do espanto e da incompreensão – as impede de cair em negação. Esta é a hora de enfrentar a realidade, tomando cuidado para não “espiritualizá-la”. Como essa figura, que era tão profundamente luminosa para nós, pôde esconder um lado tão sombrio? Não nos apressemos em responder, porque teremos que continuar o trabalho que começamos. Quanto mais rigor e clareza houver, mais a L’Arche poderá emergir dessa crise, e mais poderemos continuar apoiando seus magníficos locais de humanidade, não sem problemas ou sem dúvidas.

Jean Vanier não é apenas o fundador da L’Arche. Ele também foi um guia espiritual e inspiração para muitas, muitas pessoas. O que resta desse legado espiritual?

Nós devemos distinguir entre o pensamento de Jean Vanier e o futuro da L’Arche. O que sabemos agora lança mais do que uma sombra e levanta muitas questões sobre o que ele disse e escreveu. Devemos dedicar tempo ao trabalho histórico e psicológico, relendo os textos à luz do que estamos aprendendo hoje. Vai levar tempo, e este ainda não é o momento. É claro que as mentiras e essa mística sexual desviante são inaceitáveis e insuportáveis. Devemos ter cuidado para nunca fazer de alguém um ídolo.

 

Nota da IHU On-Line:

O Instituto Humanitas Unisinos – IHU promove o seu X Colóquio Internacional IHU. Abuso sexual: Vítimas, Contextos, Interfaces, Enfrentamentos, a ser realizado nos dias 14 e 15 de setembro de 2020, no Campus Unisinos Porto Alegre.

X Colóquio Internacional IHU. Abuso sexual: Vítimas, Contextos, Interfaces, Enfrentamentos

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Revelações sobre Jean Vanier: “É hora de enfrentar a realidade” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV