A França diz não ao glifosato: proibição sai até 2022

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Setembro 2017

A França diz basta ao glifosato. O primeiro-ministro Edouard Philippe decidiu que o herbicida será completamente "proibido na França" até "o fim do mandato" do Presidente Emmanuel Macron, ou seja, 2022. A proibição irá abranger todos os tipos de uso, incluindo a agricultura, anunciou hoje o porta-voz do governo, Christophe Castaner, entrevistado pela BFM-TV. Apesar da hostilidade de numerosos agricultores transalpinos, Paris decidiu se opor à renovação pela União Europeia da licença EU para o glifosato, que expira no final de 2017. Em 5 de outubro, Bruxelas vai se pronunciar sobre a prorrogação.

A informação é publicada por Repubblica, 25-09-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

O glifosato é o princípio ativo de Roundup, o herbicida mais vendido e fabricado pela multinacional Monsanto. Apesar da proposta da Comissão Europeia para estender por mais 10 anos a licença comercial do produto, a França se opõe e promete fechar o comércio de glifosato e outros produtos similares que, recordou Christophe Castaner, representam "um risco para a saúde pública". Para alcançar esse resultado, serão investidos 5 bilhões de euros para o desenvolvimento de produtos alternativos.

Quanto aos usos não agrícolas, o glifosato em áreas abertas ao público "já foi proibido na França a partir de 1º. de janeiro de 2017" pelas autoridades locais, enquanto para o uso privado será proibido a partir de 1º janeiro de 2019. Até agora, além de França, apenas a Suécia se pronunciou contra o uso do herbicida.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A França diz não ao glifosato: proibição sai até 2022 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU