Müller diz estar “surpreso” com a decisão do Papa

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Julho 2017

O cardeal Gerhard Müller, até sábado prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, se disse “surpreso”, mas não “irritado” com a decisão de Francisco de não reconduzi-lo a suas funções de guardião da ortodoxia vaticana.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 02-07-2017. A tradução é de André Langer.

Em uma entrevista ao Frankfurter Allgemeine Zeitung, o cardeal alemão revelou que não tinha “a intenção de ficar mais do que cinco anos na cúria” e que “não houve diferenças entre o Papa e eu”.

E que também não houve, garante em declarações aparentemente conciliadoras, divergências em relação à Amoris Laetitia. Contudo, o cardeal reconhece que não gostou da decisão do Papa de pedir a renúncia de três oficiais da Congregação, pois “eram pessoas competentes”.

Em relação ao seu futuro, Müller garante que não tem a intenção de voltar para a Alemanha, mas que permanecerá no Vaticano. “Vou fazer trabalhos de pesquisa, cumprirei minha função como cardeal, estarei ativo no cuidado das almas... Tenho muito a fazer em Roma”, declarou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Müller diz estar “surpreso” com a decisão do Papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU