Mais de dois milhões de pessoas sofrem por falta de água

Mais Lidos

  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Novembro 2018

Mais de dois milhões de pessoas não têm acesso seguro à água. Destas, 844 mil nem sequer dispõem dos serviços básicos relacionados à água potável; 263 mil são forçadas a fazer viagens diárias de até 30 minutos para buscá-la longe de casa; e 159 mil bebem água não tratada e não filtrada de fontes não seguras, como rios ou lagos. Estas são as vergonhosas estatísticas contidas no relatório da Organização Mundial de Saúde, re-lançado pelo Dicastério para o serviço do desenvolvimento humano integral que - em colaboração com as embaixadas junto à Santa Sé da França, Itália, Mônaco e os Estados Unidos da América - organizou em Roma a conferência sobre esse tema de dramática atualidade. Com base nos posicionamentos e contribuições fornecidos a respeito pela Igreja Católica – a parir da encíclica Laudato si'- os conferencistas pedem uma visão interdisciplinar da questão, não limitada apenas às carências das infraestruturas, das políticas e dos investimentos, mas ampliada para o papel da cultura, das religiões, da espiritualidade e da responsabilidade em todos os níveis de governo quanto à educação, à sustentabilidade, às comunidades locais, à poluição e à acessibilidade econômica.

A informação é publicada por L'Osservatore Romano, 8/9-11-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

A abertura da conferência foi realizada pelo franciscano Leonardo Sileo, reitor do ateneu da Propaganda Fide, e pelo secretário do dicastério vaticano, Dom Bruno Marie Duffe, que falou da dimensão simbólica e espiritual da água na tradição bíblica e cristã. Quatro foram as sessões de trabalho: "Cultura e Espiritualidade", "Um desafio internacional", "Governança e responsabilidade" e aquela final, à noite, que terminou com a intervenção do prefeito Cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de dois milhões de pessoas sofrem por falta de água - Instituto Humanitas Unisinos - IHU