Governo tem de impor limites para descarte de dejetos em lugares errados

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Outubro 2016

“Considerando apenas o despejo irregular de entulho e de lixo hospitalar, foram jogadas nas vias públicas do Brasil no ano passado 125 milhões de toneladas de resíduos, o suficiente para encher 125 estádios do Maracanã”, escreve André Trigueiro, jornalista, em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 16-10-2016.

Segundo ele, “ao todo, 76,5 milhões de pessoas sofrem os efeitos da destinação inadequada do lixo”.

Eis o artigo.

O mesmo Congresso que deu sinal verde para que o governo possa adotar um limite de gastos no setor público (batizado de teto) empurrou com a barriga o limite do prazo dado pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (previsto para agosto de 2014) para que o país eliminasse de vez os lixões espalhados hoje por 60% dos municípios.

Sem que o limite da irresponsabilidade sanitária tenha sido claramente definido até agora (há vários projetos dormitando no Congresso) prefeitos eleitos em 3.326 cidades com vazadouros clandestinos poderão seguir o mau exemplo que vem de cima: a apenas 15 km da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, o Lixão da Estrutural ainda ostenta a condição de maior vazadouro a céu aberto da América Latina. Os vapores do lixo no Planalto Central parecem inebriar nossos representantes no Executivo e no Legislativo, que deveriam ler o recém-lançado relatório da Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública) sobre o panorama dos resíduos sólidos no Brasil.

A pesquisa informa que mesmo durante a recessão de 2015 (quando a queda do PIB foi de 3,8%) o Brasil conseguiu gerar mais lixo. Foi a primeira vez que isso aconteceu em 13 anos de pesquisa, já que a queda da atividade econômica costuma ser acompanhada pela menor geração de resíduos. Não foi o que aconteceu desta vez. Em média, cada brasileiro gerou no ano passado 391 kg de lixo (pouco mais de 1 kg por dia).

Considerando apenas o despejo irregular de entulho e de lixo hospitalar, foram jogadas nas vias públicas do Brasil no ano passado 125 milhões de toneladas de resíduos, o suficiente para encher 125 estádios do Maracanã.

Ao todo, 76,5 milhões de pessoas sofrem os efeitos da destinação inadequada do lixo. Nossa indiferença para com a situação do lixo parece ser a mesma que permitiu uma das maiores tragédias sanitárias do mundo, com a coleta de apenas metade de todo o esgoto lançado por mais de 206 milhões de pessoas (lembrando que, da parte que chega a ser coletada no país, apenas 40% recebem algum tratamento).

Chegará o dia em que toda a cúpula de um governo (se preciso for, depois de almoços e jantares com parlamentares) anunciará um teto

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo tem de impor limites para descarte de dejetos em lugares errados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU