"Nem sempre amamos o que é nosso’. O dia da língua guarani

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Agosto 2011

Ñane mba’évako na meméi voi jahayhu (Nem sempre amamos o que é nosso) disseram os paraguaios nesta quinta-feira ao celebrarem o dia do idioma guarani, uma língua pré-cortesina [referência a Hernán Cortés] à qual se quer dar um novo impulso no Paraguai com uma lei que obriga a utilizá-la junto com o espanhol nos documentos oficiais. Autoridades do país destacaram que o auge que o guarani vive se vê refletido em sua implantação no currículo acadêmico de numerosos países, entre eles a Argentina.

A informação é do jornal argentino Página/12, 26-08-2011. A tradução é do Cepat.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Nem sempre amamos o que é nosso’. O dia da língua guarani - Instituto Humanitas Unisinos - IHU