O jejum do bispo emérito de Sucumbíos, Equador e conflito com os Arautos do Evangelho

Mais Lidos

  • Carta aos rabinos italianos irritados com o Papa (e não é para defender Francisco)

    LER MAIS
  • “Moderação está fazendo mal à esquerda”. Entrevista com Álvaro García Linera

    LER MAIS
  • Porque o ataque dos rabinos italianos ao Papa Francisco expõe um nervo exposto. Artigo de Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Mai 2011

Dom Gonzalo López Marañón, ex-bispo da província equatoriana de Sucumbíos, iniciou nesta terça-feira, às 17h locais, um jejum e oração permanentes pela reconciliação e pela paz em Sucumbíos, na Capilla de Belén, parque Alameda, Quito.

O comunicado de imprensa foi publicado no blog da Igreja de San Miguel de Sucumbíos - Isamis, 24-05-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto e revisada pela IHU On-Line.

Com o lema "Para curar feridas e reconciliar Sucumbíos", Dom López Marañón, de 77 anos de idade, retirado do bispado da província amazônica desde o mês de outubro passado, se instalará no pátio da Capilla de Belén, na cidade de Quito, de forma indefinida, até que haja sinais claros de reconciliação entre a população.

A decisão do bispo surge após a intensificação do conflito social e religioso que Sucumbíos vive há meses com a chegada da Congregação dos Arautos do Evangelho ao Vicariato Apostólico.

Últimos eventos

Dom Ángel Polibio Sánchez está em Sucumbíos para iniciar conversações e reuniões com as partes envolvidas. Nem a Congregação dos Arautos do Evangelho, nem a Ordem dos Carmelitas Descalços estão autorizados a regressar à província de Sucumbíos.

A vigília mantida pela população, pelos fiéis da igreja de San Miguel de Sucumbíos e pelas organizações sociais no pátio da catedral desde o dia 7 de janeiro continua. A vigília é custodiada, desde domingo, pela polícia, para evitar que novos grupos da Renovação Carismática, que apoiam os Arautos do Evangelho, provoquem tumultos e tensão entre a população, tal como ocorreu no último domingo, dia 22, à noite.

Antecedentes do conflito

Na última quinta-feira, 19 de maio, a Conferência Episcopal decidiu a saída dos Arautos do Evangelho da província, saída que ocorreu sob escolta policial. Agora, a hierarquia máxima da Igreja Católica deve resolver a situação que pôs em perigo a paz social da província.

A situação somente poderá ser resolvida com o reconhecimento da Assembleia Diocesana como órgão máximo de representação da Igreja Católica da província, segundo seus membros.

Outra demanda da população local é a restituição dos direitos dos que trabalhavam na Rádio Sucumbíos, demitidos de forma verbal e prematura pela administração do padre Rafel Ibarguren, dos Arautos do Evangelho, Também pedem garantias para o Lar Infantil.

A tensão em Sucumbíos aumentou nas últimas quatro semanas com as demissões improcedentes e sem pagamento de trabalhadores, durante pelo menos quatro meses, do Lar Infantil e a invasão violenta e ilegal, assim como a demissão verbal prematura do pessoal da Rádio Sucumbíos, que ocorreu na última segunda-feira, 16 de maio.

Antes da chegada dos Arautos do Evangelho, a emissora e o Lar Infantil eram projetos sociais sob a coordenação e supervisão do Vigário da Igreja de San Miguel de Sucumbíos e da Assembleia Diocesana.

Os Arautos do Evangelho são uma associação religiosa, reconhecida entre os círculos mais conservadores da Igreja Católica de Roma. Sua linha de atuação e de pensamento entra em contradição com o modelo social e comunitário que Sucumbíos vive há mais de quatro décadas.

Para Dom Gonzalo López Marañón, construtor e motor por 40 anos do modelo horizontal e participativo da Igreja-comunidade, seu jejum pode contribuir para curar feridas e reconstruir o tecido humano social e eclesiástico.

O jejum do bispo será acompanhado de perto pela Cruz Vermelha e por alguns médicos, assim como por um dispositivo de segurança. Tudo isso para garantir a saúde e a tranquilidade do bispo que reza pela paz no Equador.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O jejum do bispo emérito de Sucumbíos, Equador e conflito com os Arautos do Evangelho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU