Jacques Ellul: cristianismo e anarquia

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Abril 2016

No seu tempo, ele despertou a admiração de Aldous Huxley, o autor de Admirável Mundo Novo. Era querido de Cabu, o cartunista do Charlie Hebdo, assassinado pelos terroristas islâmicos. É considerado um dos mestres por José Bové, o agrônomo ativista antitransgênicos, atualmente eurodeputado pelo Partido Verde. Também se inspiraram nele Serge Latouche, pai do decrescimento, e Jean-Claude Guillebaud, ensaísta de renome internacional.

A reportagem é de Lorenzo Fazzini, publicada no jornal Avvenire, 02-04-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Jacques Ellul (1912-1994) foi um personagem atípico da cultura europeia. Acima de tudo, pelo seu declarado cristianismo (de matriz protestante): ele nunca escondeu o seu forte enraizamento bíblico – alcançado quando jovem, depois de uma educação secular – que o tornou protagonista também no cenário eclesial da França.

Ellul escapa das obsoletas classificações ideológicas (direita/esquerda) que querem encerrar em jaulas mentais a matéria viva das melhores inteligências. De fato, é possível considerar de "direita" o seu Islã e cristianismo. Um parentesco impossível (Ed. Lindau), em que ele tenta desmontar a tese segundo a qual Bíblia e Alcorão têm vínculos que subentendem proximidades religiosas.

Em outros textos, Ellul, em vez disso, faria despontar o seu progressismo. Em particular, os ensaios em que ele aproxima cristianismo e anarquia, ou aqueles em que mostra La sovversione del cristianesimo [A subversão do cristianismo] (Edizioni Fondazione Centro Studi Campostrini).

A sua independência de juízo também aparece no ensaio, inédito em italiano, do qual publicamos alguns trechos do último capítulo: Trabalho e religião. Para quem e para que trabalhamos? (Edizioni Fondazione Centro Studi Campostrini, 148 páginas). Uma análise densa e contracorrente do trabalho, acima de tudo em chave bíblica, com uma provocação nada pequena: "Não conheço nenhum texto bíblico que apresente o trabalho como um valor, um bem ou uma virtude. Nos textos bíblicos, eu não vejo nada mais senão a necessidade, quando se fala de trabalho".

Nessa sua crítica do trabalho, entendido como ideologia e fetiche do mundo liberal ocidental, Ellul reverbera as suas reflexões mais atuais e, ao mesmo tempo, proféticas: as que confluíram no fundamental Il sistema tecnico. La gabbia delle società contemporanee [O sistema técnico. A gaiola das sociedades contemporâneas] (Jaca Book). Onde – estamos em 1977 – se interroga: "Uma vez que a técnica é o único mediador reconhecido hoje, na realidade, ela foge de todo sistema de valor. Não havendo outro mediador, quem tomará a decisão a favor ou contra ela?".

Em suma, sobre Ellul, talvez se possa concordar com o seu biógrafo Jean-Luc Porquet, quando o definia como L’uomo che aveva previsto (quasi) tutto [O homem que havia previsto (quase) tudo] (Jaca Book).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jacques Ellul: cristianismo e anarquia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU