“Descentralização? Alarmismo injustificado”, afirma bispo

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 20 Janeiro 2014

“Descentralizar, então, nesta perspectiva não significa perder o centro, mas aliviá-lo do peso de tudo o que não lhe diz respeito diretamente. Os alarmismos diante desta palavra, por isso, podem ser motivados, mas não justificados”. Marcello Semeraro (na foto), bispo de Albano e secretário do C8, o conselho dos oito cardeais escolhidos por Francisco para que o ajudem na reforma da Cúria e no governo universal da Igreja, explicou à revista Jesus a visão que anima as iminentes mudanças e as próximas reformas da Igreja. Além disso, o bispo sublinhou que “quem está descontente com o Papa provavelmente faz a comparação com as próprias ideias, sem entrar em discussões”.

 
Fonte: http://bit.ly/1eFkTWx  

A reportagem é publicada por Vatican Insider, 16-01-2014. A tradução é de André Langer.

Uma longa entrevista, na qual Semeraro, teólogo especialista em eclesiologia e um dos conselheiros de maior confiança do Papa, falou sobre todos os temas postos sobre a mesa: desde a descentralização até a sinodalidade. “O Papa falou com frequência sobre a sinodalidade e a imagina como uma forma de vida na Igreja. O Papa, está claro, não coloca e não pode colocar em discussão a estrutura da Igreja, que é hierárquica por vontade de Cristo. São antes as formas de comportamento, os estilos, que são postos em discussão”.

E também responde às perguntas críticas: “A realidade não pode ser ocultada, mas deve ser estudada. A vida da Igreja não pode ser projetada em um escritório, em Roma, por exemplo, e depois ser posta em prática em todas as partes de maneira uniforme. As citações presentes na Exortação (Evangelii Gaudium) que aludem aos documentos de algumas Conferências Episcopais são um unicum na prática dos documentos papais. À luz de tudo o que aconteceu, algumas citações parecem inclusive estratégicas. Basta ler as alusões ao Celam e aos bispos dos Estados Unidos. Também aparece uma mensagem da Ação Católica Italiana e interpreto isto como um gesto de atenção para com a Igreja italiana.

Em relação ao questionário divulgado em vista do próximo Sínodo sobre a Família: “Há pessoas que não aceitam que suas certezas sejam postas em discussão. A beleza deste momento é, ao contrário, que as Igrejas se sintam animadas para fazer perguntas. A Igreja não tem apenas respostas a dar; também necessita fazer perguntas de maneira correta. Quanto ao questionário, existe por parte de alguns o temor de que tenha o sabor de uma pesquisa e que depois tenha que ser convalidada pela maioria. Nada disso, porque o carisma do papa ou dos bispos não é o de se converterem em notários de uma maioria”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Descentralização? Alarmismo injustificado”, afirma bispo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU