Linguagem, a grande invenção: inventamos a capacidade de inventar?

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Nacionalismos e patriotismos. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • “Fratelli Tutti” coisa nenhuma. “Memorando” exorta que antes do conclave os cardeais releiam “Dominus Iesus”

    LER MAIS
  • “Pontifexit”: o papado romano e o Ocidente. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Mai 2021

 

Acaba de ser publicado “La grande invenzione” [A grande invenção], um livro de Paolo Benanti que acompanha o leitor pelo mundo da linguagem, das pinturas rupestres ao GPT-3. A linguagem não é um simples instrumento: é uma condição em que habitamos e vivemos. Tão importante... que sequer nos damos conta dela.

 

A apresentação foi publicada no blog do autor, 06-05-2021. A tradução é de Anne Ledur Machado.

 

Pensemos em uma pequena anedota contada pelo escritor David Foster Wallace: “Tem esses dois jovens peixes que nadam e encontram um peixe mais velho, que nada em sentido contrário, acena para eles e diz: ‘Olá, pessoal, como está a água?’. Os dois jovens peixes continuam nadando mais um pouco, e, no fim, um deles olha para o outro e diz: ‘Que diabos é água?’”.

Novo livro de Paolo Benanti (Foto: Divulgação)

A linguagem é como muitos aspectos da vida cotidiana: precisamente por estarem presentes desde sempre no pano de fundo da existência, eles se tornam quase invisíveis e são desconhecidos para nós na sua verdadeira natureza.

Na realidade, a linguagem, ou seja, a nossa capacidade de comunicar, é a principal “invenção” da humanidade: sem ela, não seríamos humanos .

A grande invenção apresenta a “tecnologia da linguagem” e a linguagem como tecnologia, ou seja, uma habilidade e um hábito que é de todos nós e que é surpreendente analisar: como ela nasceu? Para que serve? Por que o desenvolvemos de um certo modo? Qual é o seu futuro?

Eis, então, o sentido desta pesquisa. O que significa que a nossa espécie desenvolveu algumas formas de comunicação precípua? O que a palavra oral, isto é, a linguagem sintática, a escrita, a imprensa e, enfim, os dados digitais revelam sobre nós?

A tese que anima este percurso é que as tecnologias, a partir de forma específica delas, ou seja, a tecnologia da palavra, nos permitiram escrever e reescrever o nosso horizonte. O artefato tecnológico é o “lugar” antropológico por excelência, o topos que permite compreender como a nossa espécie foi a única que pôde mudar o seu habitat, chegando até a habitar fora do planeta.

Se a linguagem sintática nos permitiu ter um mundo, e se a escrita permitiu construir um mundo, o mundo da história, foi a imprensa a tecnologia da palavra que, pela primeira vez, mudou o nosso horizonte.

Hoje, além disso, a revolução da informação está realizando o mesmo processo. Essas tensões no nosso mundo, induzidas pela nossa grande invenção, a linguagem, serão o tema desta viagem de pesquisa.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Linguagem, a grande invenção: inventamos a capacidade de inventar? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV