México: “Padre dos migrantes” morre por Covid-19

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Dezembro 2020

O vírus matou Pedro Pantoja, o jesuíta que dedicou sua vida ao povo em fuga. Renomado ativista, colecionou prêmios e ameaças dos narcotraficantes. Até agora, 129 sacerdotes já morreram devido à pandemia no México.

A reportagem é de Lucia Capuzzi, publicada por Avvenire, 19-12-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Padre Pedro Pantoja. (Foto: Youtube/Reprodução)

A Covid-19 o matou na noite de sexta-feira, no dia da ONU dedicado aos migrantes. Uma data evocativa, voltada àquele povo em fuga a quem Pedro Pantoja, sacerdote jesuíta, havia dedicado a vida. E dedicou desde jovem quando, tendo recém-entrado na Companhia, acompanhava os trabalhadores mexicanos explorados nas vinhas da Califórnia.

Mapa do México. (Fonte: Wikimedia Commons)

Até o fim, o religioso de 76 anos permaneceu para assistir aos refugiados no refúgio de Belém, em Saltillo, fundado por ele em 2004, junto com o bispo cessante, Raúl Vera López. Não se trata apenas de um lugar onde os migrantes recebem comida e abrigo: o centro denunciou várias vezes a violência perpetrada contra os imigrantes ilegais pelo crime organizado e por setores de instituições corrompidas por este último. 

O Pe. Pedro colecionou ameaças de morte e prêmios internacionais pela sua defesa dos direitos humanos. Ele não dava muita atenção a ambos: preferia continuar o trabalho cotidiano de cuidar dos últimos.

O vírus o atingiu no dia 1º de dezembro. A situação se agravou no sábado passado, quando ele foi internado no hospital. A Diocese de Saltillo manifestou grande dor pelo seu falecimento. As principais organizações dos direitos humanos, incluindo a ONU, juntaram-se às condolências.

Mapa de Saltillo, uma cidade do México capital do estado de Coahuila. (Fonte: Google Maps)

Com o Pe. Pantoja, já são 129 os sacerdotes que morreram no México devido à pandemia, que também ceifou quatro bispos.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

México: “Padre dos migrantes” morre por Covid-19 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV