A difícil tarefa da fraternidade. Artigo de Enzo Bianchi

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • O Papa Francisco precisa operar a perna direita, mas responde: não quero. Ele teme os efeitos da anestesia, que no caso da colectomia foi uma experiência ruim

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Dezembro 2020

"Liberdade e igualdade dizem respeito à esfera dos direitos e, mais ainda, dos direitos do indivíduo, enquanto a fraternidade é um valor intrínseco da convivência, da comunidade. O Papa Francisco, com a sua recente encíclica Fratelli Tutti, pediu a todos e a cada um o que é necessário para nos salvar juntos: a fraternidade", escreve Enzo Bianchi, monge italiano e fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado por La Repubblica, 30-11-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

Os meses passam e a experiência da pandemia continua a nos perturbar, a tornar exaustivo o nosso viver e conviver, suscitando em nós questionamentos angustiantes e perguntas categóricas. O que se torna urgente, que empenho para o tempo presente e para o futuro que temos pela frente?

A resposta é certamente o empenho pela fraternidade e sororidade, isto é, assumir uma responsabilidade que nos torna cuidadores uns dos outros. Isso, entre outras coisas, nos ensina a calamidade que nos surpreendeu, destacando a nossa fragilidade e o nosso destino comum: todos nós somos vulneráveis, somos mortais, seres humanos vindos da terra e que à terra retornam.

Esse é o fundamento da fraternidade que todos podem sentir e, portanto, assumir para cuidar de si e dos outros, vivendo juntos e juntos habitando a terra como casa comum. A história, de fato, mostra que para esse propósito não bastaram nem a paternidade de Deus confessada por aqueles que têm fé, nem outras transcendências: a fraternidade continua sendo uma tarefa, frágil, nunca alcançada de forma definitiva, porque irmãos e irmãs não se nasce, mas se torna.

É claro que a fraternidade foi uma "invenção" do cristianismo, mesmo que o sentimento comum a coloque dentro da famosa tríade republicana. Com efeito, na Declaração dos Direitos do homem e do cidadão (1789) a liberdade e a igualdade eram mencionadas, mas não a fraternidade, porque não se esquecia que esta última havia servido para justificar a estrutura opressora e injusta do Ancien Régime.

E embora a fraternidade logo tenha sido colocada ao lado das outras duas, enquanto se combatia pela liberdade e pela igualdade, alcançando resultados precisos, a fraternidade não recebeu a atenção e o empenho necessários para que as outras "irmãs" fossem afirmadas com um fundamento. Frédéric Boyer escreveu com razão: “A liberdade, sem a consciência de ter que compartilhá-la com o outro, torna-se violência. E a igualdade, sem a consciência de que é principalmente para o outro, torna-se solidão mortal. A fraternidade é a mais exigente, a mais urgente, pois diz respeito à nossa condição humana e aos seus limites. Ser humano significa reconhecer o outro como irmão ou irmã”.

Edgar Morin também nos lembra que “a liberdade pode ser instituída e a igualdade imposta. A fraternidade, por outro lado, não se estabelece por lei. É fruto de uma experiência pessoal de solidariedade e responsabilidade. Sozinha, a liberdade mata a igualdade e a igualdade imposta destrói a liberdade. Só a fraternidade permite manter a liberdade, porém continuando a luta para suprimir as desigualdades”.

Sim, porque liberdade e igualdade dizem respeito à esfera dos direitos e, mais ainda, dos direitos do indivíduo, enquanto a fraternidade é um valor intrínseco da convivência, da comunidade. O Papa Francisco, com a sua recente encíclica Fratelli Tutti, pediu a todos e a cada um o que é necessário para nos salvar juntos: a fraternidade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A difícil tarefa da fraternidade. Artigo de Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV