Francisco à Academia das Ciências: inovações científicas e inclusão social

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS
  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • Simone Weil: Uma carta de coração

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Outubro 2020

"Como seria bom se, ao aumento das inovações científicas e tecnológicas, correspondesse também uma equidade e uma inclusão social cada vez maior!". São os votos do Papa Francisco na Mensagem dirigida à Pontifícia Academia das Ciências por ocasião da Plenária virtual.

A reportagem é de Jane Nogara, publicada por Vatican News, 07-10-2020.

O Papa Francisco enviou uma mensagem à Pontifícia Academia das Ciências por ocasião da Plenária virtual que se realiza de 7 a 9 de outubro. O Pontífice iniciou sua mensagem agradecendo o tema da Plenária deste ano que “se compromete em colocar a pesquisa científica de base ao serviço da saúde do nosso planeta e de seus habitantes, especialmente os mais pobres e desfavorecidos”. Recorda que é um tema de profunda importância para toda a humanidade “com a concentração da noção de ciência ao serviço das pessoas para a sobrevivência da humanidade na pandemia da Covid-19 e em outras questões globais”.

Superconectados, mas com fragmentações

Francisco recorda as falsas seguranças que se manifestaram citando a recente encíclica “Fratelli tutti”: “Apesar de estarmos superconectados, verificou-se uma fragmentação que tornou mais difícil resolver os problemas que nos afetam a todos” (cf. n. 7). Portanto é significativo que esta sessão plenária virtual da Academia reúna várias disciplinas científicas diferentes; neste sentido, ela oferece um exemplo de como os desafios da crise da COVID-19 devem ser enfrentados através de esforços coordenados ao serviço de toda a família humana.

Ver no outro um portador de vírus

“Como sabemos – continua o Pontífice - o vírus, afetando a saúde das pessoas, também afetou todo o tecido social, econômico e espiritual da sociedade, paralisando as relações humanas, o trabalho, a produção, o comércio e até mesmo muitas atividades espirituais. Com enorme impacto sobre a educação”. E o Papa recorda as consequências desta realidade:

“Não poder ver o rosto de uma pessoa e considerar outras pessoas como portadores potenciais do vírus é uma terrível metáfora para uma crise social global que deve preocupar todos aqueles que se preocupam com o futuro da humanidade”. Por isso conclui “nenhum de nós pode deixar de estar preocupado com o impacto da crise sobre os pobres do mundo”.

Preferência pelos pobres

“Se tiver que dar preferência a alguém – reitera o Papa - que seja o mais necessitado e vulnerável entre nós. Da mesma forma, quando as vacinas estiverem disponíveis, devemos assegurar o acesso justo a elas independentemente da renda, sempre começando pelos últimos".

Conversão para uma ecologia humana

O Papa recorda suas encíclicas ao falar sobre a conversão ecológica: “A chegada da pandemia, no contexto mais amplo do aquecimento global, da crise ecológica e da trágica perda da biodiversidade, constitui um apelo para que nossa família humana reveja seu curso, se arrependa e empreenda uma conversão ecológica (cf. Laudato si’, nn. 216-221). Uma conversão que se baseia em todos os dons e talentos dados por Deus a fim de promover uma 'ecologia humana' digna de nossa inata dignidade e de nosso destino comum”.

Fratelli tutti

Francisco cita a Fratelli tutti ao saudar os acadêmicos: “Como seria bom se, ao aumento das inovações científicas e tecnológicas, correspondesse também uma equidade e uma inclusão social cada vez maior! Como seria bom se, enquanto descobrimos novos planetas longínquos, também descobríssemos as necessidades do irmão e da irmã que orbitam ao nosso redor!”. (n. 31)

Responsabilidade dos cientistas

Por fim o Pontífice recorda a importância dos cientistas nas responsabilidades das ações em prol do bem comum: “Por maior que seja a responsabilidade dos políticos, ela não isenta os cientistas de reconhecerem suas responsabilidades éticas num esforço para acabar não apenas com a produção, posse e uso de armas nucleares, mas também com o desenvolvimento de armas biológicas, com seu potencial de devastar civis inocentes e, de fato, povos inteiros”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco à Academia das Ciências: inovações científicas e inclusão social - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV