Aumento das ondas de calor marinhas é resultado da influência humana

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Setembro 2020

As ondas de calor nos oceanos do mundo tornaram-se 20 vezes mais frequentes devido à influência humana. Isso é o que pesquisadores do Centro Oeschger para Pesquisa Climática da Universidade de Berna agora podem provar. Ondas de calor marinhas destroem ecossistemas e prejudicam a pesca.

A reportagem é publicada por University of Bern e reproduzida por EcoDebate, 28-09-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Uma onda de calor marinha (onda de calor oceânica) é um longo período de tempo em que a temperatura da água em uma determinada região do oceano é anormalmente alta. Nos últimos anos, ondas de calor desse tipo causaram mudanças consideráveis nos ecossistemas em mar aberto e na costa. Sua lista de efeitos negativos é longa: as ondas de calor marinhas podem levar ao aumento da mortalidade entre pássaros, peixes e mamíferos marinhos, podem desencadear a proliferação de algas nocivas e reduzir significativamente o fornecimento de nutrientes no oceano. As ondas de calor também levam ao branqueamento dos corais, desencadeiam movimentos das comunidades de peixes para águas mais frias e podem contribuir para o declínio acentuado das calotas polares.

Pesquisadores liderados pela cientista marinha de Berna, Charlotte Laufkötter, têm investigado a questão de como a mudança climática antropogênica tem afetado as principais ondas de calor marinhas nas últimas décadas. Em um estudo publicado recentemente na conhecida revista científica “Science”, Charlotte Laufkötter, Jakob Zscheischler e Thomas Frölicher concluíram que a probabilidade de tais eventos aumentou enormemente como resultado do aquecimento global. A análise mostrou que nos últimos 40 anos, as ondas de calor marinhas se tornaram consideravelmente mais longas e mais pronunciadas em todos os oceanos do mundo. “As ondas de calor recentes tiveram um sério impacto nos ecossistemas marinhos, que precisam de muito tempo para se recuperar depois – se eles se recuperarem totalmente”, explica Charlotte Laufkötter.

Um grande aumento desde os anos 1980

Em suas investigações, a equipe de Berna estudou medições de satélite da temperatura da superfície do mar entre 1981 e 2017. Verificou-se que na primeira década do período de estudo, ocorreram 27 grandes ondas de calor que duraram em média 32 dias. Eles atingiram temperaturas máximas de 4,8 graus Celsius acima da temperatura média de longo prazo. Na última década a ser analisada, entretanto, ocorreram 172 grandes eventos, com duração média de 48 dias e picos de 5,5 graus acima da temperatura média de longo prazo. As temperaturas do mar geralmente variam apenas ligeiramente. Desvios semanais de 5,5 graus em uma área de 1,5 milhão de quilômetros quadrados – uma área 35 vezes o tamanho da Suíça – apresentam uma mudança extraordinária nas condições de vida dos organismos marinhos.

As análises estatísticas demonstram a influência humana

Para as sete ondas de calor marinhas com maior impacto, os pesquisadores da Universidade de Berna realizaram o que é conhecido como estudos de atribuição. Análises estatísticas e simulações climáticas são usadas para avaliar até que ponto as mudanças climáticas antropogênicas são responsáveis pela ocorrência de extremos individuais nas condições meteorológicas ou no clima. Os estudos de atribuição geralmente demonstram como a frequência dos extremos mudou por meio da influência humana.

Sem metas climáticas ambiciosas, os ecossistemas marinhos podem desaparecer

De acordo com os resultados dos estudos de atribuição, as principais ondas de calor marinhas tornaram-se mais de 20 vezes mais frequentes devido à influência humana. Embora tenham ocorrido a cada cem ou mil anos na era pré-industrial, dependendo do progresso do aquecimento global, no futuro eles deverão se tornar a norma. Se formos capazes de limitar o aquecimento global a 1,5 grau, as ondas de calor ocorrerão uma vez a cada década ou século. Se as temperaturas subirem 3 graus, entretanto, situações extremas podem ocorrer nos oceanos do mundo uma vez por ano ou década.

“Metas climáticas ambiciosas são uma necessidade absoluta para reduzir o risco de ondas de calor marinhas sem precedentes”, enfatiza Charlotte Laufkötter. “Eles são a única maneira de prevenir a perda irreversível de alguns dos ecossistemas marinhos mais valiosos.”

 

Referência:

High-impact marine heatwaves attributable to human-induced global warming. Charlotte Laufkötter, Jakob Zscheischler, Thomas L. Frölicher. Science 25 Sep 2020: Vol. 369, Issue 6511, pp. 1621-1625. Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aumento das ondas de calor marinhas é resultado da influência humana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV