Faixa etária acima dos 60 é a que mais cresce no Rio Grande do Sul

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Setembro 2020

A população do Rio Grande do Sul cresce cada vez menos. O contingente de idosos vem aumentando gradativamente e o de jovens diminuindo. Com uma população, em 2019, de 11.377.739 habitantes, projeções do Departamento de Economia e Estatística indicam que o Estado alcançará um pico populacional de 11,7 milhões de pessoas em 2035, mas terá apenas 10,9 milhões em 2060, quando os idosos (3,1 milhões) serão o dobro de crianças e jovens de 0 a 14 anos (1,5 milhão).

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

De 2000 a 2019, o Estado registrou o nascimento de 462,4 mil gaúchos e gaúchas. A taxa de natalidade que em 2000 era de 1,70 caiu para 1,24 em 2018. A tendência no número de óbitos é permanente. Em 2000, foram 68 mil óbitos, passando para 88,6 mil em 2018. Dos 11,3 milhões da população gaúcha, 2,06 milhões eram idosos em 2019 (18,19%), enquanto os jovens dos 0 a 14 anos de idade somavam 2,08 milhões (18,34%).

No início do século, o Rio Grande do Sul contabilizou 6 milhões de pessoas entre os 15 e os 64 anos de idade, que chegaram a 7,8 milhões em 2015 e as projeções indicam que serão 6,2 milhões em 2060. Em 2000, eram 744 mil os habitantes com mais de 65 anos de idade, que passaram a somar 1,2 milhão em 2015 e deverão ser 3,1 milhões em 2060.

A maior concentração habitacional situa-se no eixo Porto AlegreCaxias do Sul. Nascem mais meninos do que meninas no Rio Grande do Sul, mas as mulheres com mais de 30 anos são maioria, numa proporção de 94,8 homens para cada 100 mulheres. O Estado cresce na região Leste e decresce no Oeste.

O município de Dois Irmãos tem o maior percentual de pessoas dos 15 aos 59 anos de idade potencialmente ativas. No ano passado, dos 32,9 mil habitantes, 22,7 mil dois-irmonenses estavam ativos (69,5%), percentual maior que a do Estado. Dos 11,3 milhões de gaúchos e gaúchas, 7,22 milhões estavam ativos em 2019 (63,4%). Dos 20 municípios com mais de 20 mil habitantes, Imbé, no litoral, apresenta o menor percentual: 23,7 mil habitantes, 14 mil ativos (59%).

São Sepé, no centro do Estado, é quem reúne o maior percentual de idosos: para uma população de 23,1 mil habitantes, 5,5 mil eram idosos em 2019, ou seja 24,15%. Já Capão da Canoa, no litoral, lidera a lista de municípios com mais de 20 mil habitantes com o maior percentual de jovens. Dos 53,7 mil habitantes, 12,9 mil eram jovens (24%) no ano passado.

Porto Alegre é o município que tem o maior percentual de mulheres. De 1,4 milhão de habitantes, 785,6 mil eram mulheres em 2019, representando 53,8% da população. Charqueadas é o município com o maior percentual de homens. Dos 37,6 mil habitantes, 22,4 mil eram homens, ou seja, 59,7% da população. No Estado, 5,84 milhões são gaúchas (51,3% dos habitantes totais) e 5,53 milhões gaúchos (48,6%).

A apresentação dos dados está disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Faixa etária acima dos 60 é a que mais cresce no Rio Grande do Sul - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV