O desmatamento e o governo

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • “Diáconas para uma Igreja sinodal.” Síntese para o Sínodo sobre a Sinodalidade

    LER MAIS
  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Julho 2019

O desmatamento na Amazônia em junho foi o pior desde 2016 e, em comparação com o mesmo período do ano passado, cresceu 88%. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e saíram do sistema Terra Brasillis, que fiscaliza, por imagens aéreas, alertas de focos de desmatamento no país. Foram desmatados 951 km2 no mês passado, sem contar fatores como incêndios florestais e a exploração comercial de florestas plantadas. Pegando o acumulado entre agosto de 2018 e junho deste ano, o desmatamento cresceu 15% em relação aos 12 meses anteriores.

A informação é publicada por Outra Saúde, 04-07-2019. 

As informações precisam ainda ser analisadas junto com outras fontes: o Terra Brasilis não consolida o desmatamento como o MapBiomas, que reúne informações coletadas ao longo do ano e 'limpa' interferências possíveis, como nuvens, para apresentar o dado consolidado.

De todo modo, são muito preocupantes. Mas o governo federal, como de praxe, desconfia de dados. Pouco antes da divulgação, o ministro do GSI Augusto Heleno havia dito à BBC que os "índices de desmatamento na Amazônia são forjados". Já titular da Agricultura, Tereza Cristina, disse que "se houver preocupação, o Brasil vai agir, sim. Se não houver preocupação, nós vamos esclarecer os dados para todos, para maior transparência". Falou ainda que o Brasil não agride o meio ambiente e que é preciso "tirar um pouco desse ‘ideologismo’ " que cria tal imagem. Foi em uma coletiva sobre o acordo Mercosul-UE.

Até o momento não encontramos nenhuma declaração de Jair Bolsonaro. Nem no Twitter.

Uma chance

Ao mesmo tempo, um estudo publicado ontem na Science Advances indica que o Brasil é o país com maior área adequada para recuperação de florestas, com 100 milhões de hectares onde essa recuperação é viável.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O desmatamento e o governo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV