Tornar-se cristãos. Reflexão de José Tolentino Mendonça

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A sombra tenebrosa do bolsonarismo. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Uma contribuição para uma teologia do sacerdócio a partir da tradição afonsina

    LER MAIS
  • A metáfora empregada pelo professor Anselm Jappe, no Ciclo de Estudos Decálogo do Fim do Mundo, evidencia a sanha destruidora de uma sociedade capitalista que pode sentenciar seu próprio fim

    “Estamos num barco sem combustível e arrancando madeiras do casco para alimentar as caldeiras”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Julho 2019

Paulo nos obriga a manter uma distância crítica do naturaliter christianus do qual falava Tertuliano. Não, Paulo não é espontaneamente cristão, nem o somos nós. Ele chega ao cristianismo em uma dramática reviravolta, quando nada o fazia prever, o que envolveu uma inversão total de seu destino. Não é por acaso que Lucas o descreve como "caído por terra" (Atos 22: 7), atingido por uma cegueira funcional (como se tivesse que voltar a aprender o que significa ver) e guiado por outros, pela mão (Atos 22:11); ou que sua própria história o torna objeto de surpresa e desorientação: "Aquele que outrora nos perseguiu, anuncia agora a fé que antes destruía" (Gal 1:23), diziam os cristãos da Judeia.

O comentário é do arcebispo português José Tolentino Mendonça, arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica Vaticana, foi professor e vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, publicado por Avvenire, 29-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

O cristianismo em Paulo começa com a necessária operação de instauração, ou re-instauração, do sujeito crente. Assim, a lição de Paulo é que não somos cristãos, mas nos tornamos cristãos, e isso nos obriga a romper com o conformismo teológica de um cristianismo como fato dado, que é simplesmente dado como garantido. O oposto é verdadeiro: com Paulo, o ato de crer é regulado e moldado por uma experiência de transformação.

Como ele mesmo escreve na Segunda Carta aos Coríntios: "Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem" (2 Co 3:18).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tornar-se cristãos. Reflexão de José Tolentino Mendonça - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV