A arte de rezar. Reflexão de José Tolentino de Mendonça

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Junho 2019

Há pessoas que fecham os olhos para rezar, colocam os rostos entre as mãos, voltam-se para seu íntimo. A oração então se configura como um mergulho, uma imersão, semelhante à imagem oferecida pelo haiku de Matsuo Bashô:

Silêncio/

Um sapo mergulha/

dentro de si”.

O comentário é do arcebispo, poeta e teólogo português José Tolentino Mendonça, também arquivista e bibliotecário do Vaticano, publicado por Avvenire, 15-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

A oração é uma pedra que afunda, não no lago, mas no vasto interior de si mesmo.

Outros, ao contrário, quando rezam escancaram os olhos, os mantêm bem abertos na tentativa de olhar para a vida em sua flagrante maravilha, em seu rasgo lancinante, em seu prazer vivo.

Estão certos tanto uns quanto os outros. Todas as formas de oração são insuficientes. Todas são eficazes.

A arte de rezar é a arte de ser, somente isso. O essencial é que a oração não seja um mero falar, mas um falar-se, um falar-se confiante.

Mesmo quando recorremos à oração vocal, o que realmente importa não é o verbo. Podemos nos falar de muitas maneiras, em silêncio, na imobilidade da palavra, naquela fronteira ardente que é o calar ou o ficar e nada mais.

Fundamental é a compreensão de que uma prece, por mais simples e balbuciada que seja, se inscreve no dinamismo de uma relação.

Existe um eu e existe um você. O monge Teoforo dizia, com senso de humor, que para um monge a consciência de estar diante de Deus deve ser tão forte e real quanto uma dor de dente.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A arte de rezar. Reflexão de José Tolentino de Mendonça - Instituto Humanitas Unisinos - IHU