Casa. O lugar mais inseguro para as mulheres

Mais Lidos

  • A hierarquia se opõe à abertura aos fiéis LGBT, mas o Espírito sopra onde quer

    LER MAIS
  • Racismo anti-indígena e a nova faceta do agrogolpe: o pacto narcísico da branquitude ‘aliada’

    LER MAIS
  • O que é e como opera o negacionismo? Entrevista com Donatella Di Cesare

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Fevereiro 2019

A segunda edição da pesquisa Violência Contra as Mulheres, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública confirma: o lugar mais inseguro para as mulheres é dentro da própria casa. E 76% das agressões são cometidas por conhecidos da vítima. Metade delas se calam depois da violência.

O levantamento foi feito com base em entrevistas de mais de duas mil mulheres sobre situações vividas no último ano. Em 2018, pelo menos 22 milhões de brasileiras sofreram assédio e 16 milhões sofreram algum tipo de violência (incluindo ofensas verbais). As agressões físicas atingiram 4,7 milhões. São 536 casos por hora.

Veja também Violência contra a mulher: novos dados mostram que 'não há lugar seguro no Brasil'

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Casa. O lugar mais inseguro para as mulheres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU