''Francisco não é um papa reformador, mas sim muito geopolítico''

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Julho 2018

“Um papa muito geopolítico”, mas “não um reformador”, antes “antiprojetual”. É assim que Lucio Caracciolo, diretor da revista Limes, definiu o Papa Francisco na noite desta quarta-feira, 25, durante a apresentação em Roma do volume da revista de geopolítica intitulado “Francisco e o Estado da Igreja”.

A nota é do Servizio Informazione Religiosa (SIR), 25-07-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Quisemos indagar não tanto a personalidade de Francisco, que libertou o discurso em torno da Igreja de tabus e incrustações, mas sim a sua situação histórica.”

Caracciolo ressaltou a mudança de perspectiva que ocorreu com o início do pontificado de Bergoglio. “A dificuldade que nós, romanos, tivemos foi a de ver como um papa latino-americano encontra e desencontra culturas plurisseculares enraizadas em Roma”, acrescentou. “Ele não impôs as suas simpatias peronistas, mesmo que seja necessário entender de que período se trata, mas ele não é indiferente à política.”

Olhando para o futuro, o diretor da Limes destacou, a exemplo de Francisco, a exigência de “olhar para nós mesmos, não a partir de nós mesmos, mas  a partir de fora. Porque a perspectiva é diferente. Isso é o que de mais geopolítico se possa imaginar”. Na prática, “deveríamos fazer um esforço para entender que o centro não está determinado para sempre”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Francisco não é um papa reformador, mas sim muito geopolítico'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU