Um judeu marginal: autenticidade das parábolas

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Novembro 2017

John P. Meier, Un ebreo marginale. Ripensare il Gesù storico 5.
L’autenticità delle parabole,
série Biblioteca di Teologia Contemporanea 186,
Queriniana, Brescia 2017, pp. 456, € 49,00

Ao chegar aos setenta e cinco anos de idade, o padre católico John P. Meier – ex-professor de Novo Testamento (NT) da Universidade Católica de Washington, ex-presidente da Catholic Biblical Association e diretor de revistas especializadas (CBQ, NTS, DSD), atualmente professor de NT na Universidade Notre Dame, no estado americano de Indiana - com esse quinto volume completa sua monumental pesquisa sobre o Jesus histórico, denominado por ele como "judeu marginal".

O comentário é de Roberto Mela, publicado por Settimana News, 27-10-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

O desenvolvimento da pesquisa foi assim: Um judeu marginal. Repensando o Jesus Histórico 1. As raízes do problema e da pessoa (original de 1991); 2. Mentor, Mensagem e Milagres (1994); 3. Companheiros e antagonistas (2001); 4. Lei e Amor 2009; 5. A autenticidade das parábolas (2016).

Já na página de agradecimentos, Meier explica o propósito de seu livro: não examinar todas as parábolas (trabalho já feito magistralmente por comentaristas e estudos ad hoc), mas estudar aquelas que podem validamente reivindicar a própria autenticidade, no sentido de que podem ser rastreadas com certeza ao Jesus histórico. As parábolas, como um todo, já foram estudadas por muitos exegetas, e Meier não pretende repetir o feito.

Distinção fundamental

Na sua introdução ao volume no. 5 ele lembra a metodologia geral seguida em sua monumental busca, uma vez que o leitor pode ter consultado apenas um ou outro de seus volumes. Para ele "é essencial distinguir entre a pesquisa sobre o Jesus histórico, por um lado, e a teologia (com sua subdivisão da cristologia), pelo outro". No volume no. 5 ele quer "erigir um alto muro de separação entre a pesquisa histórica e a cristologia", verificando que existe "muita confusão entre o papel desempenhado pelas parábolas na fé cristã e na teologia e o que elas deveriam desempenhar em uma pesquisa séria sobre o Jesus histórico".

Para ajudar o leitor a orientar-se na obra de John P. Meier, citamos algumas de suas afirmações na Introdução ao Volume 5. O "Jesus histórico" não é abarcado pelo "Jesus real", porque grande parte deste último "incluiria tudo o que o Jesus de Nazaré disse, fez e experimentou em mais de trinta anos de sua vida na primeira metade do século I d.C. Grande parte da realidade total que foi Jesus acabou sendo perdida e nunca mais será recuperada. Por outro lado, o Jesus histórico é um constructo abstrato criado por estudiosos modernos, aplicando métodos histórico-críticos a fontes antigas.

Se os estudiosos aplicam esses métodos às fontes apropriadas com competência profissional, lógica cuidadosa e integridade pessoal, temos boas razões para esperar que sua reconstrução abstrata se aproxime, e parcialmente coincida, com o judeu do século I chamado Jesus de Nazaré. A correspondência nunca será perfeita (...) nunca aceitei o ceticismo total, o subjetivismo radical ou o prospectivismo associado a determinadas abordagens da história, vagamente rotuladas como "pós-modernas".

Critérios de historicidade

Meier reapresenta a própria metodologia, fazendo "uma revisão das regras do caminho". Ele lembra os critérios de historicidade seguidos na análise dos relatos evangélicos.

A) Os cinco critérios principais são:

1. O critério do constrangimento, que "identifica materiais evangélicos que dificilmente teriam sido inventados pela Igreja Primitiva, porque criavam constrangimentos ou dificuldades teológicas para a igreja do período testamentário";

2. O critério da descontinuidade "focaliza-se nas palavras e nos atos de Jesus que não podem ser derivados do judaísmo (ou judaísmos) de seu tempo nem da Igreja primitiva";

3. O critério da múltipla confirmação "focaliza-se em afirmações ou atos de Jesus atestados (i) em várias fontes literárias independentes (...) e /ou (ii) em várias formas ou gêneros literários";

4. O critério da coerência é colocado em campo apenas a posteriori, e "argumenta que aqueles atos de Jesus que se enquadram adequadamente no banco de dados preliminar estabelecido pelos outros critérios têm uma boa probabilidade de serem históricos";

5. O critério da rejeição e da execução de Jesus diz respeito principalmente ao “conjunto do ministério de Jesus, questionando-se quais palavras e ações correspondam ao seu processo e à sua execução e confiram uma explicação”.

B) Critérios Secundários (ou dúvidas), suplementares: traços do idioma aramaico e ecos do ambiente palestino do início do século I.

C) Abordagens alternativas: alguns estudiosos céticos seguem "estudos modernos de fenômenos como a memória comum, a transmissão oral das tradições de determinados grupos étnicos e os vários modelos conservados em tais memórias e tradições orais". Theissen argumentou, com outros, seu "critério de plausibilidade", que de fato consiste em quatro "critérios parciais". Meier atem-se aos cinco critérios citados, mas "não se pode esperar dos critérios mais do que eles podem dar. A sua aplicação permanece sendo mais arte do que ciência. Na melhor das hipóteses, oferecem vários graus de probabilidade e são muito mais fortes no conjunto do que aplicados isoladamente".

Conclusão ... desagradável

Quanto às parábolas, o resultado a que Meier chega é que "não se pode demonstrar com razoável probabilidade que a maioria das parábolas sinóticas remonte ao Jesus histórico (...) fui forçado à desagradável conclusão de que a maioria das parábolas carece de argumentos sólidos em favor da autenticidade (...). Essa conclusão choca-se com a perspectiva quase unânime dos pesquisadores do século passado".

O capítulo 37 apresenta sete teses não atuais sobre as parábolas de Jesus: o número (apontando que os estudiosos nem sequer concordam com o significado a ser atribuído ao gênero literário "parábola"); a sabedoria do AT não é o analogatum primário; a relação entre profetas posteriores e parábolas narrativas; o Jesus narrador de parábolas; as descrições gerais ilegítimas das parábolas de Jesus; as parábolas no Evangelho de Tomé; as poucas parábolas autênticas.

Após um excursus sobre a alegoria, Meier estuda o problema das parábolas em relação ao Evangelho copta de Tomé (cap. 38) e no cap. 39 analisa as parábolas sinóticas em busca de candidatos possíveis, concluindo seu volumoso estudo com o cap. 40, dedicado a "As poucas eleitas": O grão de mostarda (Mc 4.30-32 e par. em Mt 13, 31-32, Lc 13, 18-19); Os Maus Lavradores (Mc 12, 11-11, Mt 21: 33-43; Lc 20: 9-18); O Grande Banquete (Mt 22.2-14 e par. Lc 14, 16-24); Os Talentos /Minas (Mt 25: 14-30; par. em Lc 19: 11-27).

Na Conclusão do volume no. 5, enfatiza a sua passagem das teses não atuais à conclusão na contratendência, dando um adeus a uma base segura. No Apêndice, o estudioso lista uma bibliografia introdutória sobre as parábolas de Jesus, a que se seguem as abreviaturas, o Índice das citações bíblicas, dos nomes e o precioso Índice analítico.

Citado - embora de forma crítica - também por Joseph Ratzinger (papa Bento) em seus três volumes sobre a vida de Jesus, John P. Meier nunca poderá colher a unanimidade dos consensos sobre as suas análises dos textos bíblicos e sobre as suas conclusões histórico-exegéticas, mas sempre será um autor de enorme valor com quem se confrontar e a ser citado - embora com críticas mais ou menos ferozes - em todo trabalho científico no futuro. Penso, contudo, que deva ser agradecido - considerando também suas condições de saúde durante o trabalho - pelo imenso volume de material lido, estudado, analisado e colocado para a consideração dos leitores. Por tudo isso, obrigado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um judeu marginal: autenticidade das parábolas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV