Estudo questiona capacidade das árvores de absorver gás carbônico

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “O virtual não pode ser tudo, porque se for tudo, a vida não faz sentido”. Entrevista com Cédric Durand

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Março 2017

Árvores não conseguem armazenar tanto CO2 quanto se pensava anteriormente, revela pesquisa realizada na Austrália

Não há quem não tenha aprendido na escola que umas das funções mais importantes das árvores é ajudar a regular o gás carbônico na atmosfera.

A reportagem foi publicada por BBC Brasil, 08-03-2017.

Mas um novo estudo realizado na Austrália questiona as estimativas sobre a quantidade de dióxido de carbono (CO2) que árvores poderiam retirar da atmosfera.

Segundo cientistas da Universidade da Western Sydney University, árvores não conseguem armazenar tanto dióxido de carbono (CO2) quando se pensava.

Os experimentos põem em dúvida a tese de que níveis crescentes de CO2 na atmosfera intensificariam o desenvolvimento (o chamado efeito de fertilização) das árvores – que se “alimentam” do carbono retirado do ar através da fotossíntese – aumentando assim a absorção do gás.

O estudo foi publicado na revista científica Nature Climate Change.

Segundo os cientistas, a pesquisa também indica que, por este motivo, levantamentos internacionais sobre o armazenamento de gás carbônico nas florestas podem estar superestimados.

Eles analisaram, por cinco anos, eucaliptos nos limites de Sydney que foram artificialmente bombardeados por altas doses de dióxido de carbono lançadas por tubos a 28 metros de altura.

O objetivo do experimento era simular os níveis de CO2 na atmosfera previstos para 2050.

A fotossíntese das árvores estudadas aumentou em 19% em três anos, mas – como elas crescem em uma região de solo pobre – a intensificação do processo não teve o impacto esperado no seu crescimento.

Como resultado, mais gás passou a ser absorvido, porém este aumento também não foi significativo, segundo os cientistas, diante do intenso bombardeio de CO2 sofrido pelas plantas.

Os cientistas afirmaram que os resultados tendem a ser mais contundentes em solo de pior qualidade, com baixas taxas de fósforo ou nitrogênio.

Eles acrescentaram que isso poderia ter implicações importantes para outras regiões com florestas tropicais e subtropicais.

Este texto faz parte da série #SoICanBreathe, dedicada a problemas causados pela poluição

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estudo questiona capacidade das árvores de absorver gás carbônico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV